Dicas de como escalar na Grécia

Pois é minha gente, tudo tem sua primeira vez. E cá estou eu, contando minha aventura inédita: Escalar na Grécia.

Que eu faço trilhas, vocês já estão carecas de saber, agora escalar, nunca tinha feito. Achei que nunca conseguiria e que nem gostaria. E olha como a vida nos surpreende. Fiz, gostei e super recomendo 🙂

Mas porque a Grécia e não a Suíça?

A pergunta que não quer calar….foi simples, um grupo de amigos suíços (a maioria amigos da minha cunhada), planejaram essa viagem e nos convidou. Fiquei receosa de ir e passar vergonha (e passei hahaha). Mas até que foi engraçado e no final (depois de várias escaladas), eles elogiaram por ser minha primeira vez e tal (ufaaaa).

Vamos falar de dicas para escalar na Grécia?

Foi também minha primeira vez na Grécia. Sempre quis conhecer esse país. Porém, nunca imaginei escalar na Grécia.

Ilha Kalynmos

Quando se trata de escalar na Grécia, a ilha Kalymnos é o “point”. Super conhecida por ser a ilha da escalagem, ela atrai inúmeros amantes desse esporte do mundo todo. Graças à sua maravilhosa infraestutura e beleza excepcional, Kalymnos é sem sombra de dúvidas, a queridinha dos escaladores. Ela acabou de conquistar mais uma fã, que agora dará dicas para vocês 🙂

Como chegar em Kalymnos

Essa ilha fica mesmo ao pé da Turquia. De avião, o destino final deve ser KOS.

Tem voô direto para KOS. Caso você não consiga pegar esse voô, precisará fazer escala em Atenas.

Do aeroporto de KOS, é preciso pegar um ônibus ou táxi até o porto de Masticare. O táxi custou 15 euros – 10 minutos de corrida.

De Masticare saem e chegam barcos de Kalymnos. O primeiro sai por volta das 08:00 da manhã e custa 7.50 euros por adulto. A viagem dura meia hora.

Chegando no porto de Kalymnos, há oferta de táxi por toda parte e o legal é que a galera pergunta para qual parte da ilha você vai, daí você pode rachar o táxi 🙂 Como nossa estadia era quase no final da ilha, o táxi custou 50 euros.

Nossa Estadia

O nome do lugar que ficamos é “Empórios”. Veja o mapa da Ilha de Kalymnos e onde fica Empórios, o centro badalado de Masouri e o Porto principal.

Empórios é um lugar bem tranquilo, estilo morador mesmo. Tem poucos apartamentos para lugar. Se você procura paz e tranquilidade nessa ilha, deve procurar lugares mais afastados do centro.

Nosso apartamento, que eles chamam de “studio”, foi perfeito para nós. Para duas pessoas, com banheiro e cozinha privativos, custou 45 euros a diária.

Pontos para escalar

Como eu disse, Kalymnos tem uma infraestrutura perfeita para escalada.

Eles tem um livro, onde você pode até pegar emprestado, com todos os pontos onde se pode escalar na ilha e detalhados por nível de dificuldade.

Para quem interessar: Os níveis começam do 4A e vai até 7C. Segundo os especialistas, que estavam conosco, geralmente todo mundo consegue fazer um 5A.

Tive a honra de finalizar um 6A. Imagina escalar na grécia pela primeira vez com um 6A? Fui às nuvens haha

Outras atividades em Kalymnos

Se você não curte escalar, e mesmo assim gostaria de aproveitar a Ilha. Listo abaixo o que você pode fazer em Kalymnnos:

Trilhas

Vimos também alguns perdidos, fazendo trilhas. Acho que é bem bacana trilhar em Kalymnos. Há vários morros legais com vistas espetáculares, principalmente para ver o pôr-do-sol.

Praias

Nem preciso dizer das belezas e das cores das àguas das ilhas gregas, né?

Dicas de 2 bares espetaculares à beira da Praia:

Piratas

O ambiente é todo estilo piratas mesmo. Galera ótima do atendimento. Infraestrutura lindíssima. Comida boa. Super recomendo.

Veliero

A praia é maior. Eles fazem uns crepes maravilhosos. Atendimento excelente. E tem sledline pra treinar hahah

Passeio de barco

Foi um ponto alto da viagem. O passeio custou 25 euros. O barco nos levou até Vathy . De lá é possível escalar e depois saltar na água. Eu não escalei, porém apreciei a vista do ponto mais alto do morro. Foi mágico.

Curiosidades Grega

Comida

Cara, eu não tinha a noção que eu amaria a culinária grega. Sou agora a louca por comida grega. Eu moraria fácil na Grécia, só por causa da comida hehe

Os Gregos

Povo alegre, acolhedor, sempre pronto à ajudar. Muito parecido com o Brasil. Como não amar?

Cabra

A ilha está cheia desses animaiszinhos fofinhos. Você pode comer a carne e o queijo deles haha. Não perca o vídeo no final do artigo e veja como as cabrinhas são fofinhas. Consegue ver uma na foto abaixo?

Idioma

Viajamos com uma listinha de palavras gregas para poder comunicar com eles. Imagina como eles amaram?

Kalimera= Bom Dia

Kalispera = Boa Tarde

Kalinichta = Boa Noite

Parakalo = Obrigada

Epharisto = De nada

Meu Feedback de escalar na Grécia

Amei a experiência. Quero fazer agora na Suíça. pode ter a certeza que farei blog sobre 🙂 Meu obrigada ao maridão pelo apoio, companheirismo e incentivo.

Espero que tenha gostado. Dúvidas, é só me escrever.

Veja o vídeo abaixo para ter uma ideia do que te espera em Kalymnos e vá escalar na Grécia:

Sobre mim

Sou guia turística na Suíça, credenciada pelo orgão oficial.

Faço tour de trilhas, cidades e curiosidades no país dos alpes.

Caso queira fazer esse ou outro tour comigo, é só me escrever.

Meus outros canais: Youtube, Instagram e Facebook.

Artigos relacionados com a cultura da Suíça:

Aniversário da Suíça

Sobre a Suíça

Bike tour na Suíça:

Bike tour de 5 dias e 3 países da europa

3 semanas pedalando na Suíça e norte da Itália – artigo

3 semanas pedalando na Suíça e norte da Itália – A saga em vídeos

1 final de semana pedalando até Lauterbrunnen – parte 1

1 final de semana pedalando até Lauterbrunnen – parte 2

Como é um IGLU Restaurante?

Eu tinha essa dúvida e fui conferir isso de perto. Continue aqui e você descobrirá não somente como é um iglu restaurante, mas também terá todas as informações para fazer esse passeio maravilhoso nos alpes suíços.

Mas o que é um IGLU?

(Fonte: Wikipédia livre)

Iglu é uma construção feita de neve e gelo, usada como abrigo contra o frio extremo em regiões polares. Os iglus são tradicionalmente usados pelos esquimós, para se protegerem das baixas temperaturas quando saem para caçar, por exemplo.

Porque os iglus são quentes por dentro?

Os iglus não aquecem o ambiente no interior, mas conseguem manter o calor que é emitido pelos corpos ou de fogueiras, por exemplo.

Com o calor do corpo humano e de uma lâmpada a óleo, por exemplo, o interior do iglu pode ser até 40 graus mais quente em comparação com a temperatura exterior.

E o IGLU Restaurante?

Já deu pra imaginar como é um iglu restaurante? É uma ideia maravilhosa que algúem teve de fazer dessa casinha de gelo, um modo de ganhar dinheiro. Esse especial que fomos, é super disputado. A reserva é obrigatória.

Onde fomos

Escolhemos nada mais nada menos do que o maior restaurante Iglu da europa.

Veja o vídeo no final do post. Lá explico e mostro detalhes desse iglu restaurante arrasador.

Onde fica?

Fica no cantão de Bern. Na região de Adelboden. O nome da montanha é Engstligenalp.

O acesso final é feito por Bondinho. Detalhei mais abaixo o percurso.

Muita atenção nos horários do bondinho (tem horários extras para clientes do Iglu Restaurante). Caso você perca, pode aproveitar e passar a noite nas alturas. Eles também tem Iglu Hotel (demais, não?).

Para não ficar dependente dos horários dos ônibus, existe o serviço de táxi. Esse serviço nada mais é do que uma van, que leva os clientes a partir da estação do meio (ou seja, vc precisa descer de bondinho) até Adelboden ou Frutigen.

Dica: Ao reservar o Iglu restaurante, já reserva o táxi também. Assim fica tudo alinhado e você não tem stress.

O Menu

Luz de velas, ambiente romântico, uma atmosfera única para apreciar um maravilhoso fondue e vinho suíço. Essa é a especialidade da casa e quase que o único prato.

Detalhe: o maridão não curte fondue, avisamos na reserva, e ele conseguiu comer spaghetti :))))

Valores, Funcionamento e como chegar

Existe o combo: Bondinho + Fondue, que custa 58 francos para adultos.

Esse bilhete compra direto no guichê do bondinho na primeira estação

Datas e Horários de funcionamento Iglu Restaurante

13. Dezembro 2019 & 14. Dezembro 2019 | 17.00 – 22.00 Uhr
15. Dezembro 2019 | 17.00 – 19.00 Uhr
20. Dezembro 2019 | 17.00 – 22.00 Uhr
21. Dezembro 2019 & 22. Dezembro 2019 | Sábado 12.00 – 22.00 Uhr, Domingo 12.00 – 19.00 Uhr
26. Dezembro 2019 – 5. Janeiro 2020 | Seg- Sáb 12.00 – 22.00 Uhr, Domingo 12.00 – 19.00 Uhr
6. Janeiro 2020 – 29. Março 2020 | Qua-Sáb 12.00 – 22.00 Uhr, Domingo 12.00 – 19.00 Uhr
3. Abril 2020 | 17.00 – 22.00 Uhr
4. Abril 2020 & 5. Abril 2020 | Sábado 12.00 – 22.00 Uhr, Domingo 12.00 – 17.00 Uhr

Como chegar

Se você estiver de transporte público, será o seguinte:

Trem até Frutigen. De Frutigen, ônibus até Adelboden Post. Em Adelboden, pegar outro ônibus até unter dem Birg. Nesse lugar já é a estação de bondinho, daí é só embarcar até o Iglu Restaurante.

Veja agora o vídeo que fiz sobre essa passeio espetacular. Aproveita e inscreva-se no Canal 🙂

Gostou da dica? Deixa seu comentário aqui 🙂

Sobre mim

Sou guia turística na Suíça, credenciada pelo orgão oficial.

Faço tour de trilhas, cidades e curiosidades no país dos alpes.

Caso queira fazer esse ou outro tour comigo, é só me escrever.

Meus outros canais: Youtube, Instagram e Facebook.

Artigos relacionados com a cultura da Suíça:

Aniversário da Suíça

Sobre a Suíça

Bike tour na Suíça:

Bike tour de 5 dias e 3 países da europa

3 semanas pedalando na Suíça e norte da Itália – artigo

3 semanas pedalando na Suíça e norte da Itália – A saga em vídeos

1 final de semana pedalando até Lauterbrunnen – parte 1

1 final de semana pedalando até Lauterbrunnen – parte 2



Vale a pena fazer o Glacier Express?

Você já deve ter escutado algo sobre rotas cênicas de trens na Suíça, certo?

O Glacier Express é uma dessas opções. E a pergunta que não quer calar: Vale a pena fazer o Glacier Express?

Em Chur

Entendendo o Glacier Express

Sim, sim e simmmm…Vale a pena fazer o Glacier Express 🙂

Vou te explicar certinho o porquê vale a pena.

A Rota tradicional e completa do Glacier Express é a : St. Moritz – Zermatt (ou vice-versa). São 8 horas de passeio, nesse trem panorâmico, com vistas de tirar o fôlego.

O trem tem serviço de restaurante, banheiro e tomada para carregar os “trens” : celular e afins hahaha Serviço completo, não?

Para você, que tem tempo de fazer essa rota completa, o Glacier Express vale a pena e muito, pois você aproveita bem o seu dia e seu destino final deve ser St. Moritz ou Zermatt 🙂

Não tem tanto tempo assim, mas quer aproveitar também esse passeio?

Então faça uma rota curta. Existem várias rotas curtas. Vou detalhar aqui a rota que fizemos na primavera, em março de 2019: Chur – St. Moritz. São 2 horas de pura emoção dentro desse trem luxuoso.

Essa rota é ideal para quem está em Zurique e não tem muito tempo para fazer o passeio, porém gostaria de fazê-lo. Mais um caso onde provo que vale a pena fazer o Glacier Express 🙂

Saindo de Zurique: Você pegará um trem “normal” até Chur. ATENÇÃO: Tem um trem mais rápido (que passa por um túnel) e leva 1h15 minutos até Chur. Já tem outro, o mais lento, que leva 2h39 minutos. Muita atenção na hora da compra.

Chegando em Chur: Programe-se, atenta-se aos horários e se der, gaste um tempinho na cidade. Ela é uma graça e é a cidade mais antiga da Suíça.

em Chur

Os trens na Suíça funcionam no horário certinho, disso você também já deve saber. Com o Glacier Express é a mesma coisa, a única diferença é que a reserva do assento é OBRIGATÓRIA. Portanto, faça sua reserva on line antes para garantir seu assento.

Saindo de Chur: Com seu assento reservado e claro, a passagem paga, é só embarcar nesse trem super famoso e aconchegante. O controlador passará em cada assento e você deverá mostrar tanto a passagem quanto a reserva do assento.

Sem neve


Peça uma bebida e curta muito a vista dessa rota. Ela é surreal. Como fomos na primavera, não esperávamos que ainda veríamos neve. Sim, ela apareceu quase já em St. Moritz. Foi lindo ver as duas paisagens numa janela só.

Chegando em St. Moritz: Essa cidade é puro glamour e luxo. Se você quiser aproveitar o que ela tem para oferecer, se joga.

Lago congelado

Tivemos a sorte de ver o lago de St. Moritz congelado. É absurdamente lindo. Veja no vídeo abaixo

Viu como vale a pena fazer o Glacier Express seja rota longa ou curta? Seja com ou sem neve? Então…coloca já na sua lista da Suíça.

Muitas poses dentro do trem :)))))

Se precisar de guia brasileira para acompanhar e preparar tudo para você sobre esse passeio, me escreva.

Bilhetes e valores

Dependendo do bilhete que você possui, você tem descontos específicos.

Por exemplo, com o Swiss Travel Pass, você só paga a reserva do asssento.

O valor da reserva do assento foi 13 francos.

Veja esse pequeno vídeo sobre o passeio curto: Chur – St. Moritz:

Sobre mim

Sou guia turística na Suíça, credenciada pelo orgão oficial.

Faço tour de trilhas, cidades e curiosidades no país dos alpes.

Caso queira fazer esse ou outro tour comigo, é só me escrever.

Meus outros canais: Youtube, Instagram e Facebook.

Artigos relacionados com a cultura da Suíça:

Aniversário da Suíça

Sobre a Suíça

Bike tour na Suíça:

Bike tour de 5 dias e 3 países da europa

3 semanas pedalando na Suíça e norte da Itália – artigo

3 semanas pedalando na Suíça e norte da Itália – A saga em vídeos

1 final de semana pedalando até Lauterbrunnen – parte 1

1 final de semana pedalando até Lauterbrunnen – parte 2


Trilha para Rothorn – Brienz

Porque Brienz?

Brienz é uma cidadezinha super charmosa, conhecida pelo seu lago azul anil, que em conjunto com os alpes, compõem a vista dos sonhos.

Brienz e seu lago

Uma das montanhas mais famosas em Brienz, é a Rothorn. Ela é impossante, tem seu pico há 2.350 metros sobre o mar, com vistas espetaculares.

Sua vista panorâmica atinge os alpes da região central da Suíça como Pilatus, Rigi e Titlis, bem como os alpes Bernenses e a trindade: Eiger, Mönch e Jungfrau.

Motivos de sobra para você decidir fazer a trilha para Rothorn, não?

Vista da trilha

A Estrela de Rothorn: Locomotiva à vapor desde 1892

Selos e vapores, guinchos e fumos: O único trem de cremalheira suíço com operação diária de vapor tem sido inspirador desde 1892. Suba ou desça a Brienz Rothorn Railway. Viva essa experiência. A viagem dura por volta de 1 hora 🙂

Locomotiva à vapor

Você que decide se quer subir de locomotiva e descer de trilha ou como fiz, subi de trilha e desci de locomotiva (meus joelhos agradecem hehe).

A Trilha

Essa trilha para Rothorn é inegávelmente surreal. Parece que estamos num quadro de pintura ou numa cena de filme. É incrível.

Bom, que a trilha para Rothorn é bela, incrível e imperdível você já sabe, agora vamos falar das condições técnicas.

Para fazer essa trilha, do jeito que eu fiz, ou seja, subindo desde Brienz até o pico do Rothorn, você não precisa ser atleta, mas um bom condicionamento irá te ajudar e muito.

Detalhes da Trilha para Rothorn

Saímos de Brienz, ao lado da estação de Brienz Rothorn (de onde chegam e saem as locomotiva à vapor). Essa é a primeira estação.

A estação do meio chama-se Planalp. Você pode também começar por ela sua trilha para Rothorn. Aliás, eu recomendaria muito, pois de Brienz até Planalp é mata fechada, e com isso não há visibilidade.

A partir de Planalp, começam as vistas lindas e maravilhosas. Em um determinado ponto, você deparará com uma placa amarela dizendo: Rothorn 2h15 e Rothorn 2h40.

Muita atenção: A trilha de 2h40 é super pesada. Há trechos técnicos como escadas, correntes, caminhos estreitos na beira do penhasco. Toda atenção e cuidado nesse trecho.

Se você é um iniciante em trilhas, aconselho à não pegar esse sentido, mas sim o outro de 2h15 🙂 Ele é mais fácil e plano.

Filme sobre a Trilha para Rothorn

Veja as mais belas imagens dessa trilha.

Informações Adicionais

A partir de 11 de maio de 2019, a locomotiva funcionará 4 vezes por dia somente até a estação do meio: Planalp e depois de volta para Brienz.

A partir de 1 de Junho de 2019 ela funcionará até o pico do Rothorn.

Bilhetes e valores

Bilhete especial para uma trilha curta

Novidade boa essa 🙂

Se você quiser, pode andar de locomotiva em 3 estágios e 1 estágio você faz a trilha.

Funciona assim: Sai de locomotiva de Brienz → Planalp → Rothorn / Sai de trilha de Rothorn → Planalp / locomotiva Planalp → Brienz.

O preço do bilhete sai 77 (inteira) e 38.50 (meia para Halb Tax ou Swiss Travel Pass).

Bilhete normal

Somente ida ou volta de locomotiva até o topo Rothorn: 59.60 (inteira) e 29.80 (meia).

Há vários outros tipos de bilhetes especiais. Consulte aqui.

Espero que tenham gostado da dica de mais uma trilha para se fazer na Suíça. Qualquer dúvida, me escreva 🙂 bjão.

Sobre mim

Sou guia turística na Suíça, credenciada pelo orgão oficial.

Faço tour de trilhas, cidades e curiosidades no país dos alpes.

Caso queira fazer esse ou outro tour comigo, é só me escrever.

Artigos relacionados com a cultura da Suíça:

Aniversário da Suíça

Sobre a Suíça

Bike tour na Suíça:

Bike tour de 5 dias e 3 países da europa

3 semanas pedalando na Suíça e norte da Itália – artigo

3 semanas pedalando na Suíça e norte da Itália – A saga em vídeos

1 final de semana pedalando até Lauterbrunnen – parte 1

1 final de semana pedalando até Lauterbrunnen – parte 2

Travessia Petrópolis X Teresópolis

Vamos falar da famosa Travessia Petrópolis – Teresópolis?
Esse trekking acontece no Rio de Janeiro, no Parque Nacional da Serra dos Órgãos, o PARNASO.

Como é a travessia?

O trajeto tem aproximadamente 30 km e é feito, geralmente, em 3 dias de caminhada. É, sem dúvida, uma das travessias mais desejadas do Brasil, sendo considerada por alguns como a mais bonita.

Nossa experiência

Contratamos uma empresa para nos guiar. Esse trekking pode ser feito sem guia, desde que seu nível de trilheiro seja avançado para conhecer os macetes. Poderíamos fazer sozinhos, porém, ao contratar uma empresa, você fica totalmente livre de preocupações com GPS e sinalizações.

Falando desse aparelhinho, que muitas vezes nos joga pra lugares nada a ver, encontramos na travessia, um aventureiro, um russo. Ele estava sozinho, com GPS na mão, vindo de um lugar para onde iríamos. No entanto, o caminho era totalmente contrário do nosso e ele dizia que o GPS deu aquele caminho.
Fora esse episódio, tem uma história de um francês que ficou perdido no parque por 5 dias. Foi divulgado nas mídias, quase todos sabem dessa história. Como foi na época de chuva, o francês foi encontrado sem roupas e tremendo de frio. Ele tinha pego um atalho e ficou perdido, sem saída.

São dessas situações chatas e tristes, que me refiro e alerto você à pensar bem na hora de decidir contratar ou não um serviço de guia.

Programação

Dia 1


O trekking não é mole não. Logo no primeiro dia são 8km de trilha pesada com subidas fortes (1.100 m de desnível).

Para completar, no primeiro dia é que a mochila está mais pesada….

No final dessa matéria, listo os itens que não devem faltar em sua mochila 🙂

Achados lindos da natureza

Tem muitos pássaros no caminho todo
Olha o tamanho desse cogumelo

As Bromélias dão show

Aliás, não somente as bromélias

É muita beleza nesse lugar

Graças à ELE mesmo haha

Se você chegar bem até essa placa, pode “glorificar de pé” hahaha

Chegada aos Castelos do Açu – local da primeira pernoite.

Esse é o abrigo de Açu. É oficial do parque.
Esses são os castelos do Açu. São mágicos.
As imagens abaixo são da parte interna dos castelos.

Pôr do Sol no Cruzeiro – ponto mais alto do Açu – 2.232 m de altitude

Não conseguimos ver o pôr do sol perfeito, por causa das nuvens. Porém, sentimos a magia desse lugar. É algo inexplicável.

Dia 2

Acordamos cedo para ver o nascer do Sol. Deu super certo 🙂

Sensacional. Recarregamos nossa energia para o dia 2 🙂

Foram 9km de trilha pesada com subidas e descidas íngremes (desnível máximo de 300 m) e alguns trechos técnicos. Para a corda e cavalinho, foram usados equipamentos do nosso guia.

Chegada à Pedra do Sino – local da segunda pernoite.

Abrigo 4 na Pedra do Sino
Essa é a Pedra do Sino. Particularmente, vejo o rosto de um elefante. Alguém mais? 🙂
Pôr do Sol no topo da Pedra do Sino
No topo da Pedra do Sino – ponto culminante do PARNASO – 2.275 m de altitude
Deu pra ver a Baía de Guanabara. Quanto amor ….

Dia 3

Queríamos muito ver o nascer do sol, porém as nuvens impossibilitaram-nos. Não convencida, sai pela redondeza do abrigo para fazer fotos. A neblina me fascina também

Iníciamos a caminhada às 9 h. O último dia é uma mistura de sentimentos. Felicidade por estar bem fisica e emocionalmente, porém um pouco triste em deixar o paraíso para trás.

Foram 11km de trilha (1.100 m de desnível) até a sede do parque em Teresópolis (nosso destino final). Encontramos muita coisa linda pelo caminho.

Caminho de Bromélias
Cachoeira Véu das Noivas

Com toda certeza, essa foi a primeira de outras travessias que farei. Gratidão por realizar com sucesso.

Conhecendo um pouco Petrópolis

A cidade imperial faz jus ao seu nome. A família real morou na cidade e seus corpos estão embalsamados na catedral Pedro de Alcântara.

Catedral Pedro de Alcântara
Catedral Pedro de Alcântara ao fundo

Com a Proclamação da República em 1889, que resultou no banimento e no exílio da Família Imperial, temia-se que a cidade fosse ameaçada por retaliações republicanas e perdesse o seu prestígio. Mas isso não aconteceu.

Houve então a grande mudança de rumo na vida do petropolitano e da sua cidade, que se voltou cada vez mais para a sua tradição histórica, para a urbanização e arquitetura que ficaram de seu passado e para a beleza e preservação da sua natureza. A cada dia, novas mansões e palácios abriam suas portas para visitação.

A Prefeitura de Petrópolis planejou e organizou o setor de turismo e cultura e uma extensa rede de facilidades foi sendo oferecida ao turista, como informações, eventos, pousadas e hotéis, restaurantes e outras atrações cheias de requinte e particularidades, capazes de atrair o interesse do visitante.

A casa de Santos Dumont.

Sim, ele morou em Petrópolis. E foi ele quem projetou e construiu sua própria casa. Vale muito a pena a visita 🙂

Onde nos hospedamos

Num hostel maravilhoso. O Umhostel. Super indico, hostel limpo, funcionários agradáveis e simpáticos.

Localizado num lugar super privilegiado para os amantes da cerveja: em frente à fábrica da Boehmia. Aliás, lá tem um tal do “Tour cervejeiro” que todos falam super bem. Não tive tempo de ir, mas gostaria muito…Fica a dica.

Fora a Boehmia, tem também a fábrica da Itaipava, que fica no bairro vizinho, que leva o mesmo nome da cerveja.

Localização e como chegar

A linda Petrópolis fica na região montanhosa do Rio. Seu clima é ameno. A cidade é um amor. Puro charme, é uma mistura de natureza com arquitetura antiga.

Saindo de São Paulo:

De ônibus: Da Rodoviária do Tietê tem ônibus direto para Petrópolis 🙂 São 6 horas de viagem e custa em torno de 70 reais.

Parque Nacional Serra dos Órgãos – PARNASO

De Petrópolis até a portaria da Sede Petrópolis

De Taxi/ Uber

É a melhor opção. Caso tenha um grupo, melhor ainda, pois pode dividir o valor da corrida. Em torno de 40 minutos você está no parque e o  custo total aproximado é de R$ 80.

De Ônibus

A melhor opção a partir do Centro de Petrópolis é tomar um ônibus para o Terminal de Corrêas. Lá existem duas linhas que atendem ao Bonfim – a linha 611 (Bonfim) que tem ponto final a cerca de 1 Km da portaria e a linha 616 (Pinheiral) que chega mais perto, até a Escola Rural do Bonfim.

Sobre a empresa que fizemos a travessia


Eu já seguia eles nas redes sociais e já era amor antigo. Depois dessa experiência, indico até de olhos fechados. Nossa travessia foi perfeita com o guia Leonardo. Conheça eles: Amantes da Montanha
Veja o pacote que contratamos:
Investimento: Pacote Básico
R$ 450 por pessoa.

INCLUI:
Guias credenciados e equipamentos de segurança em grupo;
Ingresso do Parque Nacional para 3 dias de trilha em Montanha;
2 noites em bivaque / beliche do abrigo (com utilização de cozinha) / ou 2 noites em camping (fornecemos barraca e fogareiro);
2 banhos quentes.

O que levar para a Travessia?

Tudo o que realmente você for usar, ou seja, o mínimo dos mínimos. Lembra-se que isso custará “os seus ombros”, literalmente heheh

Bora lá listar o essencial:

  • Mochila cargueira com capa de chuva
  • Saco de dormir extremo 0 grau
  • Agasalhos em camadas
  • Lanterna e pilhas
  • gorro, luvas e meias reservas
  • Itens de Higiene pessoal
  • Protetor solar
  • Saco de lixo
  • Alimentação para o dia: Lanches de trilha para 3 dias: pães, queijo, atum, salame, frutas secas, doces….
  • Alimentação para a noite: macarrão, embutidos, atum, sardinhas, sopas, refeições de preparo rápido, pois nos abrigos tem cozinha com fogão e todos os utensílios para cozinhar 🙂
  • Leva sua garrafa de água com pelo menos 2 litros, pois há pontos de reabastecimento nas trilhas e nos abrigos.

Sobre mim

Sou guia turística na Suíça, credenciada pelo orgão oficial.

Faço tour de trilhas, cidades e curiosidades no país dos alpes.

Caso queira fazer esse ou outro tour comigo, é só me escrever. bjosssss

Artigos relacionados com a cultura da Suíça:

Aniversário da Suíça

Sobre a Suíça

Bike tour na Suíça:

Bike tour de 5 dias e 3 países da europa

3 semanas pedalando na Suíça e norte da Itália – artigo

3 semanas pedalando na Suíça e norte da Itália – A saga em vídeos

1 final de semana pedalando até Lauterbrunnen – parte 1

1 final de semana pedalando até Lauterbrunnen – parte 2

Carrinho de rolimã da neve – Aventura nos alpes suíços

Esqui e Snowboard todo mundo conhece, mas você já ouviu falar do carrinho de rolimã da neve?

Olha ele aí :))

Esse nome “carrinho de rolimã da neve” é invenção minha. Dei uma “brasilianidade” para esse equipamento tão famoso na Suíça.

Seu nome em alemão é “Schlitteln” e em inglês “Sled “.

Como é esse carrinho de rolimã da neve – Schlitteln?

Imagina o nosso carrinho de rolimã do Brasil, porém sem volante, sem rodas e que desliza na neve…. Imaginou? É exatamente assim o carrinho do lado de cá do oceano 🙂 

E como funciona esse carrinho inusitado?

É muito fácil. Suba uma montanha à pé ou pegue um funicular e desça de carrinho de rolimã da neve. Quanto mais inclinada for uma montanha, mais difícil será a descida, exigindo assim um esforço e atenção maior do motorista!

Quais são os mecanismos desse carrinho?

Para dirigi-lo, é muito fácil. Como ele não tem volante, você deve segurá-lo firme e controlá-lo pelos pés. Para virar à esquerda/direita, controlar a velocidade e frear, use os pés. Bem parecido com o carrinho de rolimã, não é mesmo?

Procedimentos para realizar essa aventura

Se você não tiver o carrinho de rolimã da neve, relaxa. Na Suíça você pode alugar no local e ser feliz.

Uma vez com o carrinho em mãos, é só descer montanha abaixo, certo?

Errado. Primeiramente, você deve se atentar às roupas e calçados.

São roupas especiais de inverno, incluindo luvas, toucas e óculos de sol. Os calçados devem ser bons e impermeáveis.

Super Dica 1: Se puder, faça essa atividade na lua cheia. Sua luz reflete na neve gerando um clima romântico e especial. Combine esse programa com fondue num restaurante no topo da montanha. Será inesquecível. Te garanto.

Super Dica 2 :Caso não consiga pegar o dia certo da lua. Vá numa noite qualquer, leve lanterna para se orientar e desça montanha abaixo com o carrinho de rolimã da neve. É aventura pura 🙂

Veja abaixo como essa aventura funciona na prática. Cuidado com as cenas fortes hehe

Esse é o lugar das Fotos e vídeo: Kandersteg

Sobre mim

Sou guia turística na Suíça, credenciada pelo orgão oficial.

Faço tour de trilhas, cidades e curiosidades no país dos alpes.

Caso queira fazer esse ou outro tour comigo, é só me escrever. bjosssss

Artigos relacionados com a cultura da Suíça:

Aniversário da Suíça

Sobre a Suíça

Bike tour na Suíça:

Bike tour de 5 dias e 3 países da europa

3 semanas pedalando na Suíça e norte da Itália – artigo

3 semanas pedalando na Suíça e norte da Itália – A saga em vídeos

1 final de semana pedalando até Lauterbrunnen – parte 1

1 final de semana pedalando até Lauterbrunnen – parte 2

A cidade das pontes – Fribourg

Fribourg ou Nova Friburgo

Sabia que esses nomes tem muito em comum?
Nova Friburgo, a cidade do Rio de Janeiro, foi fundada entre 1819 e 1820 com 261 famílias vindas da Suíça. Em homenagem à cidade natal dessas famílias, que era Fribourg, na Suíça, eles deram o nome de “Nova Friburgo”.

Entendendo isso tudo

Você deve perguntar: Mas se a Suíça não participou de guerra, porque os suíços vieram para o Brasil? Pois é, foi colonização “forçada”. O rei João VI convidou os suíços de Freiburg para mudarem para a Fazenda do Morro Queimado em Cantagalo, no estado do Rio de Janeiro. Segundo o rei, o clima dessa região era “parecido” com o de Friboourg (Suíça) e os suíços estariam um pouco “em casa”. Só em sonho né? Ou talvez ele referia ao verão suíço hahhaha
Foi a primeira comunidade no Brasil, que foi ocupada por suíços e também a primeira que não falava português. Os primeiros imigrantes fixaram-se em 4. Maio 1824 , dois meses antes de São Lopoldo (Rio Grande do Sul) ser ocupada.

Cristo

O Cristo na cidade é novidade. Ele foi colocado em comemoração ao bicentenário de Nova Friburgo. Com seus 12.5 metros, o Cristo é atração na movimentada rua Boulevard de Pérolles, pertinho da estação de trem.

Aproveitem, ele ficará somente até o dia 12 de dezembro de 2018.

Outra dúvida super comum entre os turistas

Fribourg da Suíça e a Freiburg da Alemanha.
Muita atenção para não se confundir, principalmente se você viaja de trem de um país para o outro.
As placas informativas na Suíça para Fribourg , estão sempre em francês e alemão: Fribourg e Freiburg, por conta de ser um cantão com dois idiomas oficiais. Oficialmente, a Fribourg da Suíça é Fribourg im Üechtland, mas não há placas com esse nome.

Se você for para a Freiburg da Alemanha, estará escrito: Freiburg im Breisgau. Muita atenção, caso contrário, estará na Fribourg errada :/

Mas onde fica então a Fribourg da Suíça

Fica na Suíça Francesa. Faz divisa com Berna (a capital da Suíça).

São somente 27 Km de distância. Se você estiver em qualquer outro lugar na Suíça, o acesso de trem ou carro é super facilitado.

Conhecendo o cantão de Fribourg

Para quem ainda não sabe o que é um cantão, entenda como “estado”.
O cantão de Fribourg possui 7 municípios, que falam francês e alemão. Alguns municípios falam os dois idiomas, já outros, somente 1 dos dois.
Os municípios (nomes em francês) são: Broye, Glâne, Gruyère, Sarine, Lac, Singine e Veveyse.

Fribourg, juntamente com o cantão Bern e Wallis, formam os únicos 3 cantões que falam 2 idiomas oficiais, sendo eles alemão e francês.

Experience Fribourg

Agora que você já conhece um pouco da história de Fribourg, vamos falar do passeio que fiz com minhas parceiras blogueiras e com uma fotógrafa maravilhosa. Deixarei os contatos delas no final da matéria.

Esse foi o Experience Fribourg. Conhecemos e mostramos os pontos famosos da cidade em um único dia. Comprovamos que isso é possível ?

Isso mesmo, cidade de Fribourg hehe A cidade, que é a capital do cantão, leva o mesmo nome dele ?

Dica: Adquira o City Card, ele custa 20 francos e te dá direito de visitas gratuitas aos museus, bem como circular pela cidade de ônibus.

Atrações que visitamos e recomendamos

Eu já conhecia a cidade, pois tenho uma amiga-irmã que mora lá. Fui inúmeras vezes visitá-la, mas nunca olhei com olhos de turista como dessa vez. Trago aqui informações legais que eu também não sabia e fiquei super feliz em saber.

Rio Saane/Sarine

Esse rio tem 126 km e abrange várias regiões da Suíça e inclusive, Fribourg.

Essa é a parte baixa da cidade.

Fribourg e suas pontes

O motivo da cidade ter muitas pontes, aproximadamente 15, se dá pelo fato dela ser fundada numa península. Então foram construídas várias pontes sobre o rio Saane/Sarine.

A primeira ponte foi construída em torno de 1250 e a última (Poya-Brücke), terminada em 2014.

As que visitamos na cidade das pontes foram:

Ponte de Berna

É a primeira ponte da cidade das pontes. Feita de madeira, sua forma é do ano de 1653.

Em 1340 ela ponte foi serrada num ataque dos “bernenses” para que os inimigos pudessem cortar caminho.

A ponte de Berna é a última ponte de madeira coberta da cidade das pontes.

Eu sou suspeita de falar, porque amo pontes. Não posso ver uma que “tô lá” posando para fotos. Imagina como fiquei louca na cidade das pontes?  heheh Ainda bem que tivemos uma fotógrafa profissional e super paciente conosco ?

Ponte do Meio

Ela é uma importante ligação no meio do centro histórico. É só descer a rua, depois que visitar a ponte de Berna e você chega na Ponte do meio.

Foi construída também na segunda metade do século XIII.

Antigamente havia uma torre de portão na ponte, que protegia suas duas entradas. A estrutura de madeira original foi substituída em 1720 por uma ponte de tufo de quatro arcos, como era habitual nas pontes naquela época.

Do lado da ponte, fica o Museu do teatro de fantoches Suíço, ainda não o conheço, mas eles tem um barzinho maravilhoso com uma vista incrível para o Rio Saane. Vale muito a pena parar para um cafézinho.

A cidade das pontes não para de surpreender, não é mesmo?

Outra dica: Desça uma rampinha que tem do outro lado da ponte (lado oposto do MuseuBar) e use e abuse das fotos. Olha como saíram lindas.

Aproveite também para caminhar em torno do lago Saane. Você terá sempre a vista da Catedral (falarei dela logo abaixo). É mágico.

Ponte Zähringerbrücke

Ela leva o nome da família que fundou a cidade em 1157. Foi construída em 1924. Fica pertinho da Catedral São Nicolau (falarei dela mais abaixo). Com seus 273 metros de cumprimento, ela foi considerada por 15 anos, a ponte suspensa mais longa do mundo.

É motivo de orgulho para os “fribourgenses”.  90 longos anos os carros puderam nela circular. Em 12.12.2014 a ponte Zähringerbrücke foi bloqueada. O trânsito hoje em dia é feito pela ponte Poya (a ponte mais nova da cidade das pontes).

Foi construída uma ponte abaixo da Zähringerbrücke, para que essa preciosidade da cidade, pudesse ser resgardada dos aproximadamente 25.000 veículos que todo o dia circulam por ela.

Achei um lugar maravilhoso e perfeito para fotos. Fala sério esses dois andares de ponte? hehe Ainda com o rio Saane aperfeiçoando.

Catedral São Nicolau

A obra que sobressai no centro histórico, é a catedral gótica, São Nicolau. Culminando seus 74 metros de altura, ela foi construída entre 1283 e 1490.

A vista de lá deve ser surreal. Pena que não conseguimos subir, pois fomos em novembro.

 Horários de Funcionamento para subir a torre: de 1. de Abril até 31. Outubro

De Segunda – Sábado: 10.00 – 17.00 Hrs
Domingo + Feriados: 13.00 – 17.00 Hrs
Última subida: 30 Minutos antes do horário de fechamento

Maiores Infos: Clica aqui

Se você gosta de visitar igrejas, há muitas na cidade das pontes. São todas bem antigas da época dos jesuítas. Há também mosteiro da ordem de Augustinho e Francisco e Basílica de Notre Dame. Muitas estilo barroco. Aos amantes da arquitetura, Fribourg, a cidade das pontes, é um paraíso nesse quesito.

As fortificações da cidade das pontes, formam a arquitetura militar medieval mais importante da Suíça: 2 km de muralhas, 14 torres e um grande bastião.

Rua das Esposas

Ao lado da catedral, existe uma ruazinha que se chama “rua das esposas”.  As noivas que casam na catedral costumam fazer o caminho da rua.

A placa diz de um lado em francês diz: Rua das esposas fiéis e maridos modelos. Do outro lado em alemão diz: Hoje o noivo se alegra, amanhã pode ser que é a noiva que manda :))))

Centro Histórico

Assim como a cidade de Berna, Friburgo preservou inteiramente seu centro medieval, que é hoje um dos maiores da Europa. Consistindo dos vizinhos Bourg, Auge e Neuveville, seu centro antigo é rico em fontes e igrejas datando do século XII até o século XVII.

É incrível caminhar pelas ruas do centro histórico. A sensação é de voltar no tempo. Suas construções são incríveis.

Vale a pena gastar um tempo percorrendo por ali. Você vai se deparar com casas lindas e super fofas. Pede fotos, não?

Chocolateria de Fribourg – Villars

Quer experimentar um verdadeiro chocolate quente em Fribourg? Vá na chocolateria Villars. É o melhor dos melhores.

Trata-se de uma marca de chocolate da cidade das pontes. Imagina que legal experimentar um chocolate local?

Eles tem uma loja estilo loja de fábrica e juntamente, uma cafeteria. É bem bonitinho e acolhedor. Os detalhes são fofos, não?

Horário de Funcionamento: de Seg. À Sex – das 08:30 às 17:30hrs e Sábados das 08:30 às 12:30hrs.

Maiores infos:  Clique aqui

Amei os chocolates dessa marca e recomendo com toda certeza. Fizemos até um sorteio de natal no Instagram. Foi muito legal a participação da galera.

Museus na cidade das pontes

Há cerca de 20 museus na cidade. Alguns bem inusitados: Museu da História Natural, Museu de máquina de costura, do teatro de fantoches suíço; de alguns trens suíços; da Art; Museu da Bíblia + Oriente; Arquivos do Estado de Freiburg; de Arte e História; A Biblioteca Cantonal e Universitária; Natureza e inspiração; Museu Gutenberg; da Cerveja Cardinal; Museu Bicicleta-club de Friburgo; “Através da tela”; Jardim Botânico de Freiburg; Arquivo da cidade de Freiburg; Espaço Jean Tinguely – Niki de Saint Phalle; Museu Sensler; O Kaeserberg está em exibição em Lucerne.

Visitamos o Museu Gutenberg

É um museu suíço das artes gráficas e da comunicação. Vale muito a pena a visita. Foi incrível ver e descobrir como as primeiras letras foram impressas.

Tem até uma folha original da primeira bibília impressa. E as notas antigas do dinheiro da suíça, o franco suíço.

Horário de funcionamento: De quartas, sexta e sabados das 11:00 as 18:00 as quintas 11:00 as 20:00 e aos domingos das 10:00 as 17:00. Segundas e terças o museu é fechado.

Maiores infos: Clica aqui

Participaram do #ExperienceFribourg

Realização: Ana Luiza de Souza (Pelo Mundo Blog)
As Blogueiras –  Renata Autran (As Viagens da Re),  Janaína (Descobrindo a Suíça) e  Ester Santos (Esterzinha na Suíça Adventures)

A cobertura fotográfica foi feita por Laurentina – Fotógrafa na Suíça

Veja o que rolou no evento também, através da Hashtag #ExperienceFribourg no Instagram e Facebook.

Apoio: Fribourg Region e Chocolat Villar

 Sobre mim

Sou guia turística na Suíça, credenciada pelo orgão oficial.

Faço tour de trilhas, cidades e curiosidades no país dos alpes.

Caso queira fazer esse ou outro tour comigo, é só me escrever. bjosssss

Artigos relacionados com a cultura da Suíça:

Aniversário da Suíça

Sobre a Suíça

Bike tour na Suíça:

Bike tour de 5 dias e 3 países da europa

3 semanas pedalando na Suíça e norte da Itália – artigo

3 semanas pedalando na Suíça e norte da Itália – A saga em vídeos

1 final de semana pedalando até Lauterbrunnen – parte 1

1 final de semana pedalando até Lauterbrunnen – parte 2

Cachoeiras dentro da Montanha: Trümmelbachfälle

Como assim cachoeiras internas?

Elas não ficam paradas como qualquer outra cachoeira. Essas cachoeiras dentro da montanha movimentam-se, ora estão dentro, ora fora. Deixando os turistas boquiabertos com tanta beleza e força.

Seu nome é um só: Trümmelbachfall, porém como elas estão sub-divididas, daí vem o plural: Trümmelbachfälle 🙂

*aulinha grátis de alemão heheh

Onde ficam essas cachoeiras dentro da Montanha?

Você conhecerá a cachoeira mais famosa da Suíça e de quebra, uma cidadezinha encantada: Lauterbrunnen – a cidade das cachoeiras. Veja o vídeo no final do post para comprovar.

Lauterbrunnen fica somente 20 KM de Interlaken e o acesso pode ser de trem,carro, bicicleta,cavalo e etc..haha..É muito tranquilo chegar nesse lugar.

Nossa Experiência nas cachoeiras dentro da montanha

Se você viu nosso post sobre Lauterbrunen, sabe que pedalamos de casa até a cidadezinha e acampamos num camping que fica ao lado dasTrummelbachfälle.

Nossa aventura foi de apenas 1 final de semana, e garantimos que vale muito a pena.

Entrada

Custou 11 Francos para termos acesso aos 10 pontos das cachoeiras dentro da montanha e fora também.

Há um elevador que nos leva em 1 minuto à 140 metros de altura.

Essas cachoeiras dentro da montanha são as únicas quedas dágua de geleira da Europa acessíveis por elevador, trilhas, galerias, túneis e plataformas.

Curiosidades

As cachoeiras dentro da montanha recebem geleiras das 3 montanhas super famosas na Suíça: Eiger, Mönch e Jungfrau.

Produzindo assim 20 mil toneladas de àgua por ano. “benza Deus”.

Por dentro da montanha

As àguas espumam e se agitam violentamente. O barulho é arrebatador.

Quando você está dentro, é fantástico pois o barulho é somente das àguas.

Essa é a “pegada” da parte interna da montanha.

Eles fizeram uma estrutura maravilhosa. Há escadas com corrimão. Os túneis são iluminados. É perfeito.

 

 

 

ATENÇÃO: O chão é molhado, tenha muito cuidado ao caminhar.

Por  fora da montanha

A vista para outras montanhas e para a cidade é show. A facilidade de entrar e sair da montanha, sempre com vistas maravilhosas é surpreendente.

Essa é outra cachoeira famosa: Staubbachfälle

Dicas da Esterzinha para as cachoeiras dentro da Montanha

  • Aproveite o borifo das àguas para dar aquele toque no “belo”. Essa é para cacheadas(os) de plantão;
  • Jaqueta impermeãvel. Caso não queira se molhar;
  • Bons calçados. Como falei, o chão é molhado, não rola chinelos ou sapatilhas;
  • Muitas fotos. O lugar é um verdadeiro estúdio fotográfico 🙂

Viva essa experiência. Visite a Trümmelbachfälle. Conheça as cachoeiras dentro da montanha.

Gostaria de fazer esse passeio guiado?

Entre em contato conosco. Fazemos passeio e tour em toda a Suíça.

Somos especialistas na àrea.

 

 

 

O que fazer em DAVOS – Suíça

Davos – O lugar de superlativos

Ela é a cidade mais alta dos Alpes (1560 metros). É o maior resort nos alpes voltado para férias, esportes e conferências nas montanhas.
Detalhe: o Fórum Econômico Mundial acontece quase todos os anos em Davos.

Já dá para imaginar o que fazer em Davos. Não é mesmo? Vou contar logo e você pode assistir o vídeo que está no final do post 🙂

Onde fica Davos?

Fica no cantão de Graubünden (Grisões), perto da Itália e Áustria.
O idioma predominante é o alemão. Davos é ponto de partida para excursões desses trens famosos na Suíça: Glacier Express e Bernina Express.

Atrações no verão em Davos

Para os aventureiros: O que fazer em Davos? Há no total 700 km de trilhas na região. É só escolher uma montanha, subir de bondinho ou de trilha e lá de cima, decidir qual trilha pegar.


Além disso, pode visitar o lago de Davos, com sua área de nado, centro de surf e navegação.


É possível também fazer asa-delta, parapente, patinação in line e mountainbike. E aí? Já se achou em ” o que fazer em Davos” ?  Coloque esse paraíso no seu roteiro na Suíça.

Atrações no inverno em Davos

Davos é uma metrópole de esportes de inverno, destino de fãs de esqui e snowboard de todo o mundo. São 58 teleféricos, 3 pistas de trenó, 300 km de pistas, 75 km de pistas de esqui nórdico, dois rinques artificiais de patinação no gelo, bem como o maior rinque natural de gelo de toda a Europa.

Curiosidades em Davos

  • Davos tem a cervejaria mais alta da Europa e a primeira do cantão dos Grisões aberta ao público. É a Monstein. O ABC da produção de cerveja, passeios guiados, degustação.

Para quem gosta do mundo da cerveja, essa é uma ótima opção de o que fazer em Davos.

  • Outra curiosidade maravilhosa, que poucos sabem, é que Davos é o paraíso dos esquilos e pássaros que vêem comer na palma da sua mão. Sim, você leu certo ELES VÊEM até você. No vídeo abaixo, você pode conferir 🙂

Mas atenção: Não é qualquer época do ano que isso acontece.

No outono ou começo de inverno, os esquilos precisam acumular comida para todo o inverno. É lindo de se ver. Já fui umas 3 vezes para Davos, e cada vez que vou, é como se fosse a primeira. Eu amo esses bichinhos e gostaria que tivesse mais lugares assim na Suíça . O contato tão perto e íntimo com essas belezuras é o que mais me encanta.

Se você é amante da natureza e animais, já sabe o que fazer em Davos 🙂

Comidas para os animais

ATENÇÃO: Não é qualquer comida que eles podem comer.

Para os esquilos: Nozes

Para os pássaros: Ração específica

Eles são fofos. Eles são queridos. E merecem todo nosso amor e carinho.

Agora que você já sabe o que fazer em Davos, veja o vídeo e coloque esse lugar no seu roteiro na Suíça 🙂

 

 

Acampar em Lauterbrunnen – Suíça

Gosta de acampar ou pedalar? Tem somente 1 final de semana para isso? Mas gostaria que fosse perfeito e encantado? Continue lendo esse post, pois provamos que é possível acampar em Lauterbrunnen com todos esses atributos.

Lauterbrunnen – um sonho de lugar

Seu nome significa “Grandes Fontes” e não é à toa, pois essa cidadezinha possui no total 72 cachoeiras. É considerada uma das maiores àreas de conservação da natureza na Suíça. Ela fica no vale dos alpes. Só até aqui, você já tem 1 motivo para acampar em Lauterbrunnen 🙂

Mesmo que você não queira/gosta de acampar, vale muito a pena conhecer Lauterbrunnen.

Pedalando até Lauterbrunnen

Agora se você gosta de aventuras, sugerimos além de acampar em Lauterbrunnen, pedalar até a cidadezinha.

Independente do ponto inicial de sua pedalada, aconselhamos passar por Interlaken. Você não irá se arrepender, pois o caminho é surreal.

Caso tenha dúvidas, nos escreva. Te ajudaremos a “se achar” na rota 🙂

Nossa Experiência

Como somos amantes de aventura, pedalamos com nossa casa nas costas e na guarupa.

Essa foi uma das nossas experiências de bike tour curto que fizemos. Estávamos nos preparando para o nosso maior bike tour.

Como queríamos experimentar acampar e pedalar, Lauterbrunnen foi uma opção ideal. E claro, queríamos conhecer e explorar a tão famosa cidade das cachoeiras.

Nossa Rota

Saímos de Spiez, uma cidadezinha que faz parte do Lago de Thun, para acampar em Lauterbrunnen. Pedalamos em torno do lago de Thun até Interlaken e de lá seguimos até Lauterbrunnen. Você pode ver detalhes desse tour, no vídeo no final do post.

Nível de dificuldade

Com referência à nossa rota. Essas são as informações de inclinações/declinações e quilometragem.

 

Para quem não entendeu essas informações, o resumão seria: de Spiez até Interlaken é praticamente só descida.

 

 

 

 

Já de Interlaken em diante, há muitas subidas:

hahahahha As subidas não são fortes como essa da imagem. Isso foi só para relaxar 🙂

Garantimos que compensa cada pedala, pois a vista de todo o caminho é espetacular.

Dicas para as subidas de bike

Ficou sem energia física/psicológica?
Então:
Encontre um lugar perfeito para uma pausa;
Respira fundo; beba água; coma alguma fruta ou barra de cereal, pois tem açúcar e é disso que vc precisa nesse momento;
Aproveite a vista que esse lugar perfeito de pausa tem para repôr as energias.

Chegando em Lauterbrunnen

A recepção que você tem ao chegar na cidadezinha de Lauterbrunnen é espetacular.
Essa cachoeira, a Staubbach é imposante. Não há como não parar e admirar por horas. É cartão postal da cidade. Ela tem 300 metros de altura e é considerada uma das cascatas mais alta da Europa. Linda, não?

A primeira coisa que pensei ao chegar foi: UAU, que ótima escolha. Acampar em Lauterbrunnen é um sonho 🙂

O Camping

Num ambiente familiar, aconchegante e literalmente, no meio das montanhas, está o Breithorn Camping. 

Super indicamos. Nossa estada foi espetacular. É a melhor localização para acampar em Lauterbrunnen.

Vista da cachoeira Trummelbachfälle – Camping Breithorn

No vídeo logo abaixo, mostramos detalhes de tudo o que tem nesse Camping. Confira 🙂

É uma ótima opção para fazer o combo : Camping perfeito + A cachoeira mais famosa da região, que fica dentro de uma montanha: a Trummelbachfälle.

Qual o endereço desse paraíso?

Se você estiver pedalando ou de carro, é só seguir sentido à Trummelbachfälle.

O endereço é: Sandbach 255 – 3824 Stechelberg

O caminho até lá já te diz: “VALEU todo o esforço” .

Vídeos sobre Lauterbrunnen

Registramos nossa rota ida e volta, pausas, imagens lindas da cidade, cachoeiras e é claro, tudo sobre esse camping maravilhoso no vale dos alpes.

Eles estão dividido em 2 partes:

parte 1 – de Spiez até Lauterbrunnen + Camping Breithorn:

e parte 2 – Tudo sobre a cachoeira top de Lauterbrunnen, a Trummelbachfälle e a volta para Spiez:

Precisa de um tour guiado ou roteiro personalizado na Suíça?

Entre em contato conosco. Somos especialistas na àrea e conhecemos muito bem a cultura e idiomas do país.

Artigos relacionados com a cultura da Suíça:

Aniversário da Suíça

Sobre a Suíça

Festa do Vinho

Outros Bike tours na Suíça:

Bike tour de 5 dias e 3 países da europa

3 semanas pedalando na Suíça e norte da Itália – artigo

3 semanas pedalando na Suíça e norte da Itália – A saga em vídeos

Passeios em montanhas na Suíça

Cardada – parte italiana

Valle Verzasca – Suíça italiana

3 trilhas legais para se fazer na Suíça – na Suíça alemã

Triftbrücke – uma ponte sensacional – Suíça alemã