MONTANHA CARDADA CIMETTA – A fascinante vista dos dois pontos extremos da Suíça

VOCÊ SABIA?

Que os dois pontos extremos da Suíça em altitude são: o mais alto – Pico Dufour – Monte Rosa = 4.634 metros e o mais baixo – Lago Maggiore = 195 metros

E uma notícia ainda melhor, é que visitando a montanha Cardada Cimetta, você consegue ver esses dois pontos perfeitamente. A vista é incrivelmente maravilhosa.

Não é à toa que a montanha Cardada Cimetta recebe o título de ” A pérola do lago Maggiore”.

E ae? o que está esperando para incluí-la em seu roteiro?

NOSSA EXPERIÊNCIA

Subi a montanha Cardada Cimetta com mais 3 blogueiras e 1 fotógrafa. Todas são brasileiras e moram na Suíça.

Esse foi o #ExperienceCardada, onde juntas mostramos, especialmente para o público brasileiro, todas as atrações, possibilidades e dicas para aproveitar esse lugar.

Foi um dia inteiro de passeio, pois só assim se consegue aproveitar bem a montanha Cardada Cimetta.

ONDE FICA ESSE PARAÍSO CARDADA CIMETTA?

Na Suíça italiana. Ticino (em italiano) ou Tessin (em alemão).

Vocês já devem saber que eu amo essa região. Não foi por acaso que a conheci quase toda em nosso Bike tour de 3 semanas na Suíça e norte da Itália.

Entretanto, nunca tinha escutado sobre a montanha Cardada Cimetta, que por coincidência (ou não), fica no meio dos Vales que exploramos: Verzasca e Maggia.

Bom, isso era passado. Já conheci a montanha Cardada Cimetta e posso dizer que já estou apaixonada? ah…a Suíça italiana tem esse poder..cuidado.

COMO CHEGAR ?

O acesso se dá pela cidade de Locarno.

A parte bem interessante desse caminho até o topo (Cimetta), é que para subir, utilizamos 3 diferentes transportes num único dia.

São eles: Funicular, Bondinho e Cadeirinha.

PASSO-A-PASSO PARA CHEGAR ATÉ CARDADA CIMETTA

Funicular Madonna del Sasso

Funicular Madonna del Sasso

Chegando em Locarno, há sinalização para o funicular por toda parte.

Partindo da estação de trem de Locarno, são 10 minutos caminhando até o Funicular. A subida do funicular leva 15 minutos e a parada se chama Orselina.

Daqui, a vista já é muito linda e o monastério Madonna del Sasso (destino de peregrinação da Suíça italiana) é o rei da paisagem juntamente com o maravilhoso lago Maggiore.

MAdonna Del Sasso

Bondinho Cardada

Ao lado da estação do funicular, em Orselina, tem a estação do bondinho Cardada.

bondinho

 

bondinho

No bondinho cabe muita gente, nos leva à 1.340 metros e assim que “desembarcamos”, tivemos essa vista espetacular.

bondinho

A plataforma de observação de Cardada

Tem que ir até essa plataforma pois a vista é surreal. Daqui você verá o ponto mais baixo e o mais alto da Suíça, a cidade de Locarno, a Ilha Brissago, o lago Maggiore(impossante) e os Alpes do Valais.

plataforma observatório

Eu não queria sair mais dali, deu muita paz essa vista.

O que tem mais em Cardada?

O espaço é enorme e tem atrações para todos os estilos. Para quem quer curtir o local, estilo “relax”, pode deixar as crianças brincando no parquinho, enquanto bebe/come algo no restaurante, apreciando a vista maravilhosa.

Para os aventureiros de plantão, há muitassssss trilhas para trekking e mountainbike.

CADEIRINHA CIMETTA

Você verá as cadeirinhas e logo saberá que é lá a estação delas para subir até Cimetta.

Essas cadeirinhas tem capacidade para 2 pessoas e tem uma particularidade: Elas sobem “DE LADINHO” . Achei super estranho no começo, mas depois me soltei 🙂

cadeirinha

Com elas, subimos à 1.670 metros e chegamos à Cimetta.

Panorama 360°

Daqui, a vista é mais ampliada ainda e podemos ver toda a bacia do lago Maggiore e os alpes. Sensacional esse lugar.

montanha cardada cimetta
subida para o panorama

Dica: Tire muitas fotos, pois elas saem lindassssss.

montanha cardada cimetta
Sessão de fotos ativada

Como chegar em Locarno de transporte público?

É muito fácil. Se você ainda não conhece o aplicativo do sistema de transporte da Suíça, aconselho baixar. Ele facilitará muito sua vida no país.

É só digitar de onde para onde, que ele te dá todas as informações de horários e plataforma. Aqui funciona messmooo 🙂

Supondo que você saia de Zurique:

Há um trem com destino à Lugano (também parte italiana). É esse que você deve pegar e descer em Bellinzonna para fazer a troca do trem.

Em bellinzona, pega o trem que vai para Locarno.

Valor total do passeio

Contando que você saia de Zurique e tenha o Swisstravelpass, o transporte de trem (ida e volta = Zurique – Locarno) sai gratuito.

Já os tickets desses transportes: funicular, bondinho e cadeirinha, não são incluídos no Swisstravelpass.

Esses valores terão que ser pagos nos guichês de cada estação. O valor total para os três fica: Adultos: 44 francos (ida e volta) – Crianças: 22 (ida e volta).

Dicas

  • Vá com bons calçados, mesmo que você não faça trilha, pois há pedras e grama por toda parte.

montanha cardada cimetta

  • Leva uma blusa de frio (mesmo no verão), o vento é forte e pode ficar frio lá em cima.
  • Câmera fotográfica com bateria extra. Você vai tirar muitas fotos e fazer muitos vídeos. Vai por mim haha
  • DI-VIR-TA-SE muito. Colecione momentos especiais na montanha Cardada Cimetta. Vale a pena.
Fiz esse vídeo do dia para guardar essas imagens com muito carinho e colocar na minha coleção de momentos maravilhosos na Suíça: a montanha Cardada Cimetta:

Participaram do #ExperienceCardada

Realização: Ana Luiza de Souza (Pelo Mundo Blog)
As Blogueiras –  Monique Bianchi (Me Joguei no Mundo),  Renata Autran (As Viagens da Re),  e  Ester Santos (Esterzinha na Suíça Adventures)

A cobertura fotográfica foi feita por Laurentina – Fotógrafa na Suíça

Veja o que rolou no evento também, através da Hashtag #ExperienceCardada no Instagram e Facebook.

Apoio: Ticino Turismo e Cardada Cimetta

Artigos relacionados com a cultura da Suíça:

Aniversário da Suíça

Sobre a Suíça

Bike tour na Suíça:

Bike tour de 5 dias e 3 países da europa

3 semanas pedalando na Suíça e norte da Itália – artigo

3 semanas pedalando na Suíça e norte da Itália – A saga em vídeos

1 final de semana pedalando até Lauterbrunnen – parte 1

1 final de semana pedalando até Lauterbrunnen – parte 2

A tradicional festa do vinho em Spiez

Época de colheita da uva em Spiez

O verão vai embora na Suíça, as temperaturas caem e o Outono dá sinal de vida. Com ele, em setembro, a tradicional festa do vinho em Spiez abrilhanta ainda mais essa passagem da estação.

Onde fica Spiez ?

Spiez é uma cidade suíça pequenina, às margens do lago de Thun e à 45 Km da capital : Bern.

Bern Spiez

Para quem está turistando na Suíça pelos lados de Interlaken, deve incluir essa preciosidade de lugar em seu roteiro, pois são apenas 19 KM de distância.

Uns dos motivos mais fortes para visitá-la, é que ela possui o título da “baía mais bonita da Europa“.

Essa baía tem um elemento que destaca ainda mais sua beleza: o castelo de Spiez.

Castelo de Spiez

No final dessa matéria, você poderá responder se concorda ou não com esse título, pois tem um vídeo mostrando esse paraíso.

Como funciona essa tradicional festa do vinho em Spiez ?

Há mais de 75 anos que Spiez cultiva seu próprio vinho. Seu vinhedo fica nada mais do que ao pé do lago de Thun com vista para os alpes suíços, sua lindíssima baía e castelo.

Vinhedo de Spiez
O Vinhedo de Spiez

A tradicional festa do vinho em Spiez é celebrada há mais de 40 anos, sempre com 3 dias de muita festa.

Seu nome em alemão suíço é “Spiezer Läset – Sunntig“.

A programação da tradicional festa do vinho em Spiez

Ocorre sempre no segundo final de semana de setembro, de todos os anos, a tradicional festa do vinho em Spiez.

Disbribuídos da seguinte forma:

Sábado: Há competição de corridas no meio do vinhedo de Spiez. Muito bacana esse evento, onde eles dividem o grupo por categorias (crianças e adultos).

Domingo: O dia do tão famoso “Desfile de rua”. É a programação mais esperada do dia. Ocorre às 14 hrs.

Como funciona o desfile?

Os produtores de vinho desfilam com seus caminhões e distribuem vinhos para degustação. Quem não gostaria de experimentar?

Mas não há somente vinhos nesse desfile. É como se fosse uma apresentação da cidade, onde todos os coméricos dos mais variados tipos de produtos e serviços, igrejas, clubes e assoçiações, mostram “sua cara” para o público.

Total apoio para a Capoeira do nosso Brasil

Cada ano há um tema para o desfile. O do ano passado (2017) foi “75 anos do cultivo do vinho de Spiez” – veja o vídeo no final da matéria.

Desse ano será “Goldiger Herbst”, que significa, o “Outono Dourado”. A oraganização do evento é perfeita, tudo funciona corretamente. É lindo de se ver.

Para ver o desfile de domingo, precisa pagar a entrada de 7 francos.

Segunda-feira: O dia tão esperado e desejado. Essa segunda-feira, chamada “Spiez – Märit” é a tradicional feirinha de rua.

A vista da feirinha com o castelo ao fundo junto à baía de Spiez

Com muitos quiosques de comidas típicas da Suíça, bebidas, artigos artesanais, domésticos, grupos de músicos cantando no meio da rua,..enfim, muita coisa para ver e comer (adoro a parte da comida..hehe).

minha paixão: Raclette 🙂

O imenso carrosel faz a alegria da criançada, assim os pais podem aproveitar a feira tranquilamente.

A entrada é gratuita, o ambiente é muito familiar. A feirinha começa de manhã e vai até a noite. O legal é que é em uma segunda-feira, então a galera vai “em peso” depois do trabalho.

Ficou com vontade de participar nesse ano?

É no próximo final de semana: 08, 09 e 10 de setembro. Venha ver a tradicional festa do vinho em Spiez e me avisa 🙂

 Spiez

Veja no vídeo abaixo como foi a festa do ano passado (2017):

Siga-nos no Instagram,  Youtube  e Facebook.

Abraços da Esterzinha e até o próximo Post 🙂

Artigos relacionados com a cultura da Suíça:

Aniversário da Suíça

Sobre a Suíça

Bike tour na Suíça:

Bike tour de 5 dias e 3 países da europa

3 semanas pedalando na Suíça e norte da Itália – artigo

3 semanas pedalando na Suíça e norte da Itália – A saga em vídeos

1 final de semana pedalando até Lauterbrunnen – parte 1

1 final de semana pedalando até Lauterbrunnen – parte 2

 

 

 

 

 

Bike tour 5 dias e 3 países

 Dá mesmo para conhecer 3 países em um Bike tour de 5 dias ?

Sim.

Esse tour é perfeito para você que quer pedalar e conhecer outros países. Nesse único bike tour, você conhece a Suíça, Áustria e Alemanha.

Como é esse Biketour 5 dias e 3 países?

A facilidade de conhecer os 3 países é por causa do famoso lago “Bodensee”. Ele pertence à Suíça, Àustria e Alemanha.  Você pedala de um país para o outro sempre em volta desse lago maravilhoso.

E o melhor: Não há subidas. Todo o caminho é plano.

Esse lago é super famoso para fazer tour de bike. Há muitas famílias, jovens, idosos, enfim, todo mundo pedalando. É lindo de se ver.

A ciclofaixa é uma delícia. Como a demanda é enorme, o que não falta nas margens do Bodensee são campings e restaurantes. É tudo muito bem planejado.

É Claro que você pode fazer esse bike tour com mais dias, assim aproveita mais de cada lugarzinho.

Como não tínhamos muito tempo, provamos que é possível fazer um bike tour 5 dias e 3 países. Detalhamos nosso roteiro abaixo.

Nosso roteiro e experiências

Dia 1: Começa na Suíça – bike tour 5 dias e 3 países

Pegamos o trem com as bikes destino à Romanshorn.  Olha que legal: Se você sair de Zurique são apenas 1h10 minutos de trem até Romanshorn.

Compramos o bilhete das bikes com desconto, que custou 13 francos por pessoa. O desconto é quando você tem um bilhete para andar de trem na Suíça , o Swiss Travel Pass

Para entender: Na Suíça, quando você viaja de trem com bike, você precisa pagar a sua passagem e a da bike. O valor é individual.

É bom se atentar também ao embarcar com as bikes, pois existe um vagão específico para elas. A identificação está na porta do trem. Caso você entre em qualquer vagão, pode levar multa.

Vagão para bicicletas – trem suíço

Confira detalhes de como é esse vagão para bicicleta, no vídeo que está no final da matéria. Imperdível 🙂

Ponto Inicial do Tour: Da Suíça até a Áustria
De Romanshorn pedalamos sentido Arbon, depois até Bregenz = Áustria.
Cruzamos tranquilamente a fronteira Suíça – Áustria . Não há fiscalização, apenas um aviso, de que você deve portar documento de identificação.

Onde dormimos – Dia 1 
Achamos um Camping super fofo no caminho. O Seecamping Bregenz Olha esse por do sol? Apaixonante.

Custo total com taxas para 1 noite em tenda própria com 2 pessoas = 29.50 euros.

O que tem em Bregenz (Áustria)?
Conhecemos um pouquinho dessa cidadezinha linda. Ela é super turística. Há movimentação (pelo menos num sábado de férias de julho) por toda a parte.

Bregenz ganhou nosso coração, pois é uma cidade toda planejada para ciclistas e pedestres. Tudo é muito bem identificado, sinalizado. Dá um prazer enorme pedalar num lugar assim. Parabéns aos austríacos.

Há muitos restaurantes, bares e padarias em Bregenz. É para agradar à todos os paladares.
Estávamos na Áustria, porém jantamos num restaurante grego… Haha.. Mas valeu muito a pena. A comida foi maravilhosa e o preço então? Perfeito. 16 euros um prato de peixe típico. Já a cerveja, experimentamos claro, uma autêntica austríaca.

O nome dessa cerveja significa ‘moreninha’, está em parêntese porque o que eles querem dizer é ‘pretinha’. Na Suíça, esse termo é considerado racismo.

Dia 2: Da Áustria para a alemanha- biketour 5 dias e 3 países

Deixamos Bregenz de manhã, isso significa desmontar a barraca cedo e partir.
Tomamos café na cidadezinha de Bregenz – uma padaria fofinha, onde servem cappuccino nessa imensa xícara haha adorei.

Pedalamos até Lindau. É uma ilha que pertence à Alemanha. Então, cruzamos novamente a fronteira, porém dessa vez nem sentimos, não vimos a fronteira e derepente estávamos na Alemanha. Muito engraçado isso.

Lindau – a Ilha na Alemanha
Ô lugar Lindoooo.. Vale muiito a pena curtir essa ilha. É perfeita, super turística e toda bem planejada para receber os turistas. Estilo tropical. Amamos.

A ilha alemã ao fundo – Lindau

Não ficamos muito tempo na ilha, porque queríamos conhecer a fábrica de lúpulo. Nosso erro foi não olhar bem detalhado onde era e horário de funcionamento. Apenas pedalamos tentando seguir as placas.

Para nossa tristeza, não foi possível visitar a fábrica, depois de tanto pedalar, voltamos para o caminho no lago, à procura de um novo camping para ficar.

Caso você se interessa em visitar a fábrica, clica aqui.

Onde dormimos – (dia 2) ?

No caminho, encontramos o Camping Schloss – Kirchberg em Hagnau. Adoramos, pois chegamos com muita fome e lá tem restaurante. A pizza e pasta estavam deliciosas, pagamos cerca 35 euros para duas pessoas e com bebida.
Conhecemos a cidadezinha bem rápido, porém deu pra ver como ela é fofinha.

Se você é fã de pôr-do-sol como nós, o que não falta no lago Bodensee é lugar pra apreciar essa maravilha:

Custo total com taxas para 1 noite em tenda própria com 2 pessoas = 19.50 euros.

Dia 3: vários lugares na alemanha- bike tour 5 dias e 3 países

Deixamos o camping de manhã e dessa vez fomos até uma padaria da cidadezinha de Hagnau, compramos nosso café da manhã e fomos comer no lago. Experimente fazer isso.. É libertador. Uma paz tremenda, tomar o café da manhã com o barulho dos passarinhos e o vento batendo nas águas do lago.

Pedalamos muito após o café da manhã. Seguimos para a parte ‘alta’ do lago. Essa parte se chama ‘Überlinger See’. Passamos pela cidadezinha ‘Meersburg’, vale a pena a visita. Há um castelo lindão e famoso.

Depois, seguindo nosso caminho, passamos e paramos em ‘Ludwigshafen’ – é uma cidade de Porto. Eles fizeram um ponto SENSACIONAL para os ciclistas. Mostramos tudo no vídeo que está no final da matéria. Apaixonamos por esse projeto.

Onde dormimos – dia 3?

Ficamos em Camping Markelfingen. Ele é perfeito. As barracas ficam embaixo dessas árvores lindas. Perfeição 🙂


Diferentemente dos dias 1 e 2, decidimos ficar 2 noites nesse camping. Tivemos a ideia de dar uma volta no laguinho demarcado abaixo, que se chama ‘Untersee’, e claro, deixamos as bagagens no camping e partimos sem peso na bike.

Custo total com taxas para 2 noites em tenda própria com 2 pessoas = 49.80 euros.

Camping
Eles fizeram um camping perfeito, com restaurante de frente para o lago,criando um ambiente bem agradável. Estilo tropical.
Para comemorarmos tantas pedaladas desse dia, tiramos nosso descanso merecido de boa no lago.

Dia 4 – tour no pequeno lago “Untersee” pertencente á alemanha e suíça

Segundo dia nesse camping. Saímos de manhã cedo, para tomar café na cidadezinha próxima, em Radolfzell.
Como estávamos sem peso na bike, automaticamente estávamos motivados à pedalar muito.
Nosso destino : Dar a volta no lago pequeno, o ‘Untersee’ e depois pedalar até a ilha ‘Reichenau’, que é patrimônio cultural da UNESCO.
A volta ao lago pequeno foi ótima. Estávamos na Alemanha, passamos a fronteira da Suíça e depois voltamos para a Alemanha, pois a ilha é alemã.
Parte Suíça – É na linda cidadezinha que amamos : Stein am Rhein – Visite-a vale muito a pena.

Stein am Rhein

A ilha Reichenau– Ela é imensa. Vá com tempo para conseguir ver e curtir. É uma ilha um tanto diferentona haha Há muitas plantações de muitas coisas, desde legumes até vinho.

a entrada da ilha Reichenau

Interessante : Há moradores lá, é tudo junto e misturado, mas tudo funciona direitinho. Para maiores informações da Ilha Reichenau, clica aqui.

Presente do céu

Voltando da ilha, estávamos à procura de um lugar perfeito para vermos o pôr do sol e para comemorarmos nossa última noite desse tour.
Achamos em ‘Allensbach’, um restaurante perfeito. No alto e com a vista para o lago, foi nosso presentão. A comida é maravilhosa e de quebra, esse por do sol nos dizendo: Valeu meu caros ciclistas, valeu a pena.

Dia 5 – a volta para a suíça

Último dia do tour. Estávamos super cansados, porém satisfeitos com tanta coisa que vimos, aprendemos e conhecemos.
Saímos do camping felizes e seguimos sentido destino final: ‘Romanshorn’ – na Suíça.

Pedalar nesse verão de 2018 – bike tour 5 dias e 3 países

Esse ano o verão chegou com tudo na Suíça. As temperaturas chegaram à 35 graus. Seria perfeito se chovesse, mas não choveu o quanto deveria, estava tudo muito seco. E imagina nós, pedalando nesse forno?

Com nossas experiências nesse tour absolutamente quente, aconselhamos:

1) Comece cedo sua pedalada
No verão suíço, às 08 hrs da manhã já está quente e  você sente isso ‘na pele’. A vantagem de sair cedo do camping é que você pode fazer uma pausa maior de almoço. Assim você ganha tempo e descansa no período mais quente do dia.

2) Faça pausa ao meio dia.
O período mais quente do dia é das 12hrs até às 15hrs. Por isso é importante sair cedo para pedalar, você só tem à ganhar. Vai por nós.

Mais dicas para pedalar na suíça, clica aqui.

O lado bom de fazer um bike tour em volta do lago no verão

É que você pode sempre parar para dar um ‘ti bum’ e se refrescar.
Nessa de pararmos para nos refrescar, conhecemos cantinhos lindos e especiais.
A parte do lago Bodensee, que elegemos a mais linda, foi no final do nosso tour.
Em ‘Uttwil’ – é um lugar pequenino, à 7 km do destino final ‘Romanshorn’. Foi um achado abençoado. O caribe suíço:

Foi definitivamente nossa despedida de um tour de bike maravilhoso em volta do lago Bodensee.

Aqui filmamos tudo. Assista, inspire-se e faça esse bike tour 5 dias e países 🙂

Dia 1° Agosto – Aniversário da Suíça

Uma rápida passada pela história do país

Tradução livre do alemão:

Os três cantões mais antigos da Suíça : Uri, Schwyz e Unterwald fizeram um pacto, que seria o juramento e a fundação da Suíça como um país.

Os suíços sempre comemoravam o aniversário da Suíça, porém sem uma data oficial.

O dia 1° Agosto de 1291 não é historicamente comprovado como a fundação da Suíça, porém ele surgiu devido à uma comemoração pelos 600 anos do juramento que ocorreu em Bern.

 A partir de 1899 comemorava-se em toda a Suíça o dia 1° Agosto.

Até 1993 não era feriado oficial, ou seja, cada Estado poderia decidir se dia 1° Agosto seria dia normal de trabalho, meio período ou dia todo livre.

Mas os 3 cantões, que fundaram a Suíça, não gostaram nada da ideia. Eles dizem que 8 de novembro de 1307 seria o dia do juramento e não da fundação da Suíça.

Porém, a data 1° Agosto foi se tornando querida e o Conselho Federal institui como a data oficial do aniversário da Suíça.

A partir de julho 1994 o dia 1° Agosto passa a ser feriado nacional.

Como os suíços comemoram o dia 1° Agosto?

Muitas pessoas enfeitam suas casas com bandeirinhas da Suíça e do estado que moram.

Nas prefeituras há sempre comemorações na parte da tarde. Cada local comemora com suas próprias culturas.

Há muitas comemorações privadas, principalmente churrasco.

Detalhe: Toda a decoração do churras, é de Suíça.

A turma se reuni com a família e/ou amigos, e é só festa:

O instrumento nacional da Suíça está presente quase em toda parte, o Alphorn. O hino nacional é tocado (veja no vídeo no final da matéria).

Alphorn

Nós cumes de muitas montanhas há festas com fogos de artifícios.

Em alguns estados e prefeituras, a festa começa na noite anterior, dia 31 de Julho.

Basel é um exemplo, eles fazem uma grande festa na noite de 31 de julho. Cerca de 100 mil visitantes vão comemorar ao pé do lago Rhein com a queima dos fogos.

A comemoração do dia 1° Agosto, não está restrita somente no terriório suíço, ela quebra fronteiras, pois os suíços que moram fora do país, também comemoram a data.

Parabéns Suíça pelo seu dia

Nesse ano, 2018, está proibida a queima de fogos em vários locais que outrora era até tradição.

Adivinha porque? Por causa das altas temperaturas. Simmm..AGOSTO é verão na Suíça.

E nesse ano as temperaturam foram lá pra cima, o clima está seco, não chove o suficiente como deveria no verão.

Então para previnir possíveis  acidentes como incêndios, o governo proibiu a queima.

E nós, comemoraremos o aniversário da Suíça em pleno tour de bicicleta.

Na verdade, estaremos na reta final do tour.

É claro que terá post sobre. Aguardem.

De agora, gostaríamos de parabenizar esse país maravilhoso, que amamos tanto.

Parabéns Suíça, sua LINDA.

Veja as matérias anteriores sobre passeios na Suíça: Valle Verzasca – o paraíso e Ponte Triftbrücke.

Curiosidades sobre a bandeira da Suíça x bandeiras das farmácias no Brasil

Veja nesse vídeo nossa refexão sobre esse dilema. Porque será?

 

Valle Verzasca – um paraíso no sul da Suíça

Verdadeiramente coisa de cinema, esse tal de Valle Verzasca

Situado na parte italiana da Suíça, chamada “Tessin” (em alemão) ou “Ticino” (em italiano), o valle Verzasca – um paraíso dos amantes da natureza, cultura e esporte.

Ponte dei Salti - ponte do Salto - Ticino - Vale Verzasca

Ticino é uma região lindíssima. Conhecida como a “Suíça Tropical” pois seu clima é geralmente bem mais quente (no verão) do que em várias outras partes da Suíça.

Com suas encostas íngremes, inúmeras cachoeiras e casas de pedras rústicas, o Valle Verzasca é um paraíso que encanta cada vez mais os turistas do mundo todo.

Valle Verzasca- Vale Verzasca - ticino - waterfall

Sua arquitetura da idade média e o todo seu charme, o faz especial e atraente. Com seus longos 25 KMs, o valle Verzasca está numa altura de 500-900 metros sobre o mar.

Valle Verzasca- Vale Verzasca - ticino

Ponte dei Salti – a famosa ponte do salto

A Ponte de pedra com duas curvaturas mais famosa da Suíça.

É cartão postal de Ticino.

Valle Verzasca- Vale Verzasca - Ponte dei Salti - Ponte do Salto -Ticino
Ponte dei Salti

Uma atração no Valle Verzasca – um paraíso para os aventureiros, pois eles saltam dessa ponte para nadar no rio da cor azul turqueza e curtir o verão e sol nas pedras em volta do rio.

O Rio leva o mesmo nome do vale, o rio Verzasca.

Valle Verzasca - Vale Verzasca - Ponte dei Salti - Ponte do Salto

Preciso dizer que a água desse rio é muito gelada. Até no verão  ;/

Eu só entrei mesmo porque tinha prometido a mim mesma hahha. Veja o vídeo no final do post.

Outras atrações no Valle Verzasca

Além da Ponte dei Salti, há muitas trilhas.

Valle Verzasca - um paraíso - Valle Verzasca - Vale Verzasca - Ponte dei Salti - Ponte do Salto

Para explorar esse maravilhoso Valle Verzasca – um paraíso a céu aberto, as trilhas são ideais.

A cor do rio Verzasca é incrivelmente fascinante, ela permanece com seu azul turqueza até o fim da trilha.

Valle Verzasca - um paraíso - Valle Verzasca - Vale Verzasca - Ponte dei Salti - Ponte do Salto

Nossa trilha:

Partindo da Ponte dei Salti até o último município do Valle Verzasca: Sonogno, são 13 KM e altura de 660 metros.

O nível é fácil, recomendamos trilhar, pois as paisagens são de tirar o fôlego.

As capelas que encontramos no caminho, mostram a religiosidade dos moradores do Valle.

Valle Verzasca - um paraíso - Valle Verzasca - Vale Verzasca - Ponte dei Salti - Ponte do Salto

É um paraíso que parou no tempo.

Não é apenas trilhar, é filosofar. É se jogar de corpo e alma nessas paisagens.

Valle Verzasca - um paraíso - Valle Verzasca - Vale Verzasca - Ponte dei Salti - Ponte do Salto

O que há em Sonogno?

Sonogno é a última cidadezinha do Valle Verzasca – um paraíso no final da trilha.

Valle Verzasca - um paraíso - Valle Verzasca - Vale Verzasca - Sonogno - Ticino
Sonogno

Como pertence ao valle, suas casas seguem o padrão típico: feita de pedra, tanto as paredes quanto os telhados. Um encanto de lugar.

Valle Verzasca - um paraíso - Valle Verzasca - Vale Verzasca - Sonogno - Ticino

Duas curiosidade sobre Sonogno

A primeira é o número de moradores de Sonogno, que é inferior à  100.  Achei tão incrível isso, pois pode ser menor do que a lista de casamento de muitos hahahhah

É um lugar mágico e tranquilizador:

Valle Verzasca - um paraíso - Valle Verzasca - Vale Verzasca - Sonogno - Ticino

A segunda é que Sonogno foi palco de um filme bem conhecido entre as crianças e adolescentes na Suíça : “Os irmãos pretos” de Kurt Held e Lisa Tetzner.

O Filme retrata o passado cruel da Itália, mostrando como os italianos compravam as crianças suíças e levavam-as para a Itália , afim de serem vendidas e escravizadas.

Por serem pequenas, elas eram forçadas à limpar as lareiras dos italianos ricos. As crianças entravam literlamente dentro das lareiras e eram submetidas à péssimas condições de higiene e “trabalho”.

Assista !!! Se conseguir, pois é triste demais 🙁

Como fazer para chegar no Valle Verzasca e Sonogno?

O Valle Verzasca situa-se em Locarno. O acesso pode ser de transporte público, carro ou bike.

De ônibus: Na estação de trem de Locarno, pegue o ônibus 321 com direção à Sonogno. A parada é a Lavertezzo, Paese. São 48 minutos para curtir a paisagem linda até a ponte.

De carro: Em Locarno pegar sentido Valle Verzasca – Via S. Gottardo/Trajeto A13. São 22 Kms até a ponte.

Tanto de ônibus quanto de carro, é impossível não ver a Ponte dei Salti.

A estrada é estreita e projetada já no estilo do valle.

Para chegar em Sonogno, pode fazer a trilha que fizemos ou ir de carro/ônibus.

Nossa aventura e desbravamento do Valle Verzasca em vídeo

Confira as mais belas paisagens e dicas em nosso vídeo abaixo.

Quem sabe você não se anima? heheh

Para ver outras aventuras na Suíça, clica aqui.

Obrigada e muita paz para todos.

Ponte Triftbrücke – A trilha para a incrível ponte nos alpes suíços

Triftbrücke – A atração espetacular acessada somente por trilha

Qual seria então a história da ponte triftbrücke?

Ponte Triftbrücke - Ponte Trift

A história dela é um tanto engraçada. Tem tudo a ver com o glaciar que possui o mesmo nome: o Triftglaciar.

Quando o clima esquenta, vários glaciares derretem. Alguns, como é o caso do Triftglaciar, derrete bem mais rápido.

Em 2004  a ponte Triftbrücke foi construída por conta do Triftglaciar, que não estava suficientemente alto. Essa foi uma solução que os alpinistas encontraram para dar continuidade ao trabalho deles.

Porém eles não esperavam que essa ponte atrairia tantos turistas e se tornaria, rapidamente, um ponto turístico.

Em 2009 ela foi renovada, deixaram-a bem mais segura. E assim, a ponte Triftbrücke tornou -se a ponte suspensa para pedestre mais longa e mais alta dos alpes.

A Ponte Triftbrücke é somente acessada por trilha mesmo?

Sim. Há uma estação de gôndolas que se chama TRIFTBAHN. De lá, saem gôndolas com capacidade de no máximo 8 pessoas por vez. A viagem é de 10 minutos até a região de Trift.

Não há condutor, as 8 pessoas ou menos, sobem sozinhas 🙂

Ponte Triftbrücke - Ponte Trift - Triftbahn

Preços:

Adulto: Ida e volta – CHF 24.– / só ida ou volta CHF 12.–
Crianças: Ida e volta – 6-16 anos – CHF 10.– / só ida ou volta CHF 5.–

Temporada aberta:

9. Junho – 21. Outubro 2018

Horário de Funcionamento:

8.00–16.00 Uhr em Junho, Setembro e Outubro
8.00–17.00 Uhr em Julho e Agosto

Nesse ponto, onde as gôndolas param, é o início da trilha para a Ponte Triftbrücke.

Ponte Triftbrücke - Ponte Trift-Triftbahn
Região de Trift

Há sinalizações bem claras para orientação dos turistas.

Ponte Triftbrücke - Ponte Trift

Só se pode subir de gôndola até o ponto incial da trilha?

Não. Você pode optar em subir de trilha desde o início. São 2h para chegar na região de Trift (a estação final da gôndola).

E de lá, mais 1h30 até a Ponte Triftbrücke.

Totalizando 7 horas de trilha, se você quiser descartar a gôndola (ida e volta).

A Trilha para a Triftbrücke

É trilha de nível médio. Está na nomenclatura oficial do Clube de Alpinistas da Suíça (SAC).

São 1h30 de trilha para chegar até a ponte. Considerando caminhar devagar com pausa para fotos e vídeos.

São no total (ida e volta) 5.6 KM de trilha.

Ponte Triftbrücke - Ponte Trift

A trilha é linda, toda aberta e é feita toda no Vale. Você se sente em “Senhor dos Anéis”.

Há muitas pedras, grandes e pequenas. A atenção deve ser redobrada para não escorregar, já que o caminho é todo no Vale.

Ponte Triftbrücke - Ponte Trift

Como a trilha é de nível médio, consequentemente, a sinalização é sempre branco-vermelho-branco. Seguindo esse sinal você não se perde na trilha:

Ponte Triftbrücke - Ponte Trift

Chega num momento da trilha em que você precisa fazer uma escolha. Seguir pelo caminho família ou se aventurar em pequenas escaladas?

Ponte Triftbrücke - Ponte Trift

Escolhemos o pequenas escaladas. É bem legal e não é difícil, tem que ter sempre MUITA atenção na trilha.

Ponte Triftbrücke - Ponte Trift

O que levar para a Trilha?

Sempre o mínimo possível. Porém o básico nunca deve faltar.

Se você for no verão:

  • Mochila
  • Bons calçados (de preferência as botas de trilha)
  • Vestir roupas leves
  • boné e óculos
  • Kit “Picnic Trilha”(comida e bebida)
  • Bastões para ajudar a subir e descer das pedras enormes

Para Trilhas no Inverno – Veja aqui as dicas

A Ponte, ela, a Linda e poderosa Triftbrücke

Todo o percurso vale muito a pena, quando você se depara com a ponte.

Fala sério, olha essas combinações de cores que nos fez congelar nessa paisagem:

Ponte Triftbrücke - Ponte Trift
Ponte Trift – Triftbrücke

O Azul turquesa do lago, o Azul do céu e o Glaciar derretendo. Alguém consegue ter outra reação a não ser paralisar? ?

Ponte Triftbrücke - Ponte Trift

É um paraíso de tirar o fôlego.

Ponte Triftbrücke - Ponte Trift

Curiosidades da Ponte

Ela tem 170 metros de comprimento e está numa altura de 100 metros.

Ela balança sim, pois é uma ponte suspensa. Dá medo sim de atravessá-la. Mas você precisa pensar assim: ” Cheguei até aqui e vou fazer o serviço completo” hahah

Ponte Triftbrücke - Ponte Trift

Depois da Ponte, há trilhas de alpinismo. Para quem curte, fica a fica 🙂

Como chegar até a estação “Triftbahn”?

Considerando que o ponto de partida é em Interlaken e que você vá de trem, temos o caminho:

Trem até Meiringen – Meiringen trem até Innertkirchen Post (precisa pressionar o botão para parar, senão o trem segue direto). É um trem bem pequenino.

Meiringen- Innnertkirchen

Em Innertkirchen, ônibus 172 direção Gadmen e desce em Nessental – Triftbahn.

De carro:

Em Meiringen, pegar sentido Sustenpass, até Nessenthal – Triftbahn.

Esse caminho, tanto de ônibus quanto de carro, é feito todo no Vale.

Parece coisa de cinema. Lindo demais.

Gostou da Trilha e atrações, mas não quer ir sozinho(a)?

Te entendemos. Afinal, fazer trilha acompanhado é muitoooo melhor.

Quem irá te apoiar quando estiver cansado(a)? Quem tirará suas fotos e vídeos? Com quem você terá recordações para vida toda?

Não se preocupe! Esterzinha na Suíça Adventures te leva até lá. Essa trilha faz parte do pacote “Trilha diária”, ou seja, ficamos o dia inteiro juntos.

Entre em contato conosco para te passarmos todos os detalhes da nossa organização. Vem conosco. Vem com quem entende de trilha na Suíça 🙂

Bora desvendar o país dos alpes!

Fizemos essa trilha em Julho 2018 com a portuguesa Manuela. Ela mora na Suíça e é amante de trilhas. Valeu Manu 🙂

Ponte Triftbrücke - Ponte Trift

Veja aqui nossa aventura e paisagens lindas dessa trilha para a Ponte Trieftbrücke:

2 paraísos: Poço do Diabo e Morro do Pai Inácio

Seja qual for o nível do seu espírito aventureiro, Poço do Diabo e Morro do Pai Inácio são as opções ideais para se aventurar na Chapada Diamantina.

Viajar pela Chapada Diamantina é se descobrir, se reinventar e acima de tudo se encontrar consigo mesmo.

Para quem chegou por aqui agora, estou contando detalhes, minha road trip Brasil com 5 amigos gringos.

Os posts anteriores são: Do litoral de Sampa até o Rio de Janeiro ; Ilha Grande e Chapada: Lençóis e Grutas.

Poço do Diabo

O nome é mesmo feio, porém o lugar é totalmente o oposto.

poço do diabo - chapada diamantina
Poço do Diabo

Diz a lenda que esse nome está relacionado à uma história triste e antiga que aconteceu no local.

Aconteeu na época do garimpo na região. Os escravos esconderam alguns diamantes para roubar, porém, foram descobertos, mortos e jogados nesse poço.

O poço e suas piscinas naturais são formados através do rio Mucugezinho. Com apenas 15 minutos de caminhada, a partir do Mucugezinho, você se depara com esse espetáculo da natureza.

Poço do Diabo

O Poço do diabo é o paraíso também para quem gosta de rapel, tirolesa e pular de diversas alturas.

Pular no Poço do Diabo

É importante tomar cuidado, pois não há salva vidas, ou seja, quem pratica esses esportes radicais, é responsável por si mesmo.

Como não sou fã de aventuras em água, automaticamente minha curtição no poço do diabo foi nadar nas piscinas naturais e admirar a natureza linda.

Poço do Diabo - Chapada Diamantina
Poço do Diabo

Ah, e claro, fui fotógrafa e “camerawoman” dos meus amigos “puladores”.

De verdade, olha essa água? Ela é escura e encanta tanto quanto as cristalinas. FENOMENAL.

Rio Mucugezinho

No rio Mucugezinho, há um poço enorme, ótimo para nadar e naturalmente, pular também.

Rio Mucugezinho- Chapada Diamantina
Mucugezinho

Tem uma parte rasa para as crianças brincarem e além disso, lugar para fazer churrasco e bar.

Onde ficam e como chegar nesses dois lugares

Esse passeio é pertinho de Lençois e o acesso é pela BR-242 (direção Seabra). Há um grande estacionamento na beira da estrada, pertencente à uma loja de artesanato e restaurante.

Rio Mucugezinho

Depois de estacionar o carro, você precisa atravessar o restaurante e seguir por trás dele.

Rio Mucugezinho - Chapada Diamantina

São 5 minutos de trilha para chegar no Rio Mucugezinho.

Nós decidimos passar direto e visitar primeiro o Poço do Diabo.

Mas a ordem não altera nada 🙂

Poço do Diabo

Saindo do Rio Mucugezinho, com apenas 15 minutos de trilha você chegará no Poço do Diabo.

Trilha Poço do diabo - Chapada Diamantina
Trilha Poço do Diabo

Logo no começo do caminho atravessamos uma ponte de madeira. São troncos por cima do rio Mucugezinho.

Trilha Poço do diabo - Chapada Diamantina
Trilha Poço do Diabo

Quanto custa o passeio e o nível de dificuldade da trilha

Essa trilha não é longa, mas exige um pouco do físico. Apesar de fácil, não é adequada para pessoas com dificuldade de locomoção.

A entrada é gratuita e não é necessário um guia para realizar esse passeio.

O que levar para as cachoeiras

Recomendo sempre levar água, protetor solar, óculos de sol, boné/chapéu (ou algo pra proteger a cabeça) e repelente.

Depois do que passamos na Ilha Grande, aconselho sempreeee repelente. Não importa o que os outros dizem. Leve seu repelente na mochila. Fica a dica 🙂

Morro do Pai Inácio - Chapada Diamantina

Outras dicas valiosas: Câmeras à prova d’água. Elas são a salvação e você vai amar as fotos e vídeos debaixo dágua. E claro, calçados. Não vá de chinelo ou descalço, pois há muitas pedras nas trilhas e o chão é quente demais.

Morro do Pai Inácio

Este ponto turístico do Parque Nacional da Chapada Diamantina, pertence ao município de Palmeiras.  Quem o visita jamais esquece sua vista.

É um dos atrativos mais requisitados e famosos, considerado portanto, o cartão postal da Chapada Diamantina.

Morro do Pai Inácio - Chapada Diamantina
Vista – Morro do Pai Inácio
Localização e Visitação

Para chegar até o Morro do Pai Inácio, o acesso é relativamente fácil e a trilha está localizada a margem da BR-242.

O Morro do Pai Inácio, apesar de possuir 1.120m de altitude, é de fácil acesso.

A taxa de visitação custa 6 reais por pessoa. O horário de funcionamento é das 09 às 17hrs e o portão é fechado após esse horário.

E se por acaso você se empolgar com a vista do morro, esquecendo-se totalmente do horário de fechamento? Você terá que lamentávelmente dormir no morro do Pai Inácio.

Acredito que não seria uma má ideia, visto que, ver o nascer do sol desse morro deve ser algo absolutamente incrível.

A história do nome “morro do Pai Inácio”

Dizem que foi uma história de amor entre o escravo Inácio e a sinhazinha, filha do fazendeiro.

Leia a história completa dessa lenda nesse Blog aqui: História do nome do Morro

Obrigada Adriano por compartilhar conosco esse lindo artigo. Me emocionei.

A trilha para o Morro do Pai Inácio

Ela apresenta um pouco de dificuldade, pois é íngreme, mas nada que não seja possível de se fazer para quem está acostumado com subidas. Todavia, encontrei idosos subindo. Então…NADA É IMPOSSÍVEL.

A vegetação do morro

Este parque possui variados microambientes, que abrigam desde ervas de poucos centímetros, até árvores com cerca de 39 metros de altura.

Morro do Pai Inácio - Chapada Diamantina
Morro do Pai Inácio
A vista e o pôr do sol

Digo sem sombra de dúvida, que foi uma das vistas mais espetaculares que já presenciei.

Morro do Pai Inácio - Chapada Diamantina
Morro do Pai Inácio

O pôr do sol então? Não existem palavras para expressar o quanto foi mágico e inspirador esse momento.

Morro do Pai Inácio - Chapada Diamantina
Morro do Pai Inácio

Dica: Brinde esse pôr do sol do morro do Pai Inácio. Leve um vinho e deixe a magia fluir.

A Chapada Diamantina consegue te levar para outro nível de espiritualidade.

Morro do Pai Inácio

Veja aqui nossos vídeos desses dois paraísos:

Viva isso. Viva o momento. Conheça esses dois paraísos: Poço do Diabo e Morro do Pai Inácio.

 

Chapada Diamantina – Dicas de viagens

Chapada Diamantina - dicas de viagemOlá galera. Depois desses 2 posts sobre “Esterzinha no Brasil” : Roadtrip de Maresias até o Rio e Ilha Grande, chegou a hora de falarmos desse lugar espetacular: A Chapada Diamantina.

Serão 2 posts sobre esse paraíso natural.

Como chegar na Chapada Diamantina?

Voamos até Salvador e alugamos novamente uma doblô no próprio aeroporto. Custou 1.500 reais por 7 diárias.

O acesso de Salvador para a Chapada Diamantina é pela BR 324. Há 4 pedágios nessa estrada custando em média 4.50 reais cada.

A vegetação muda. Surpreendentemente brota um novo Brasil diante de nossos olhos. Não há mais praias, mas por outro lado, há uma natureza estonteantemente linda.

Muita atenção na estrada pois tem muitos caminhões. Eles são na maioria enormes e os motoristas dirigem como loucos.

Só para exemplificar, passamos por muitos apuros nas ultrapassagens. Tanto nas nossas quanto nas deles, foi uma mistura de aventura com tensão.

Lençóis – a cidade encantada da Chapada

Lençóis é a cidade mais próxima da Chapada Diamantina. É pequena, porém linda. Com suas ruas de paralelepípedo, Lencóis se torna ainda mais encantadora.

A cidadezinha respira esporte e aventura.

Todos que visitam o local são particularmente amantes da natureza e esporte.

Como os visitantes estão sempre fazendo passeios durante o dia, o momento mais alto de Lençóis consequentemente, é a noite.

A magia da noite cai sobre Lençóis e inegavelmente todos a curtem.

O centrinho é bem badaladinho. Há restaurantes, diversas agências de turismo, lojinhas de artesanato e manifestação de dança na rua.

Onde se hospedar em Lençóis?

Ficamos e recomendamos muito a Pousada Lumiar 

É um casarão da época colonial, restaurado e tombado pelo patrimônio histórico. Localizado bem próximo ao centro da cidade de Lençóis.

Eles oferecem diferentes tipos de hospedagens, tais como: Quartos coletivos, privativos e até Chalés. Além disso, há também Camping no mesmo local.

Ah.. Não poderia deixar de falar da bela vista que temos. É para um jardim repleto de flores cheirosas ao som de passáros exóticos. O beija-flor era nosso amigo de todas as manhãs.

Nosso café da manhã foi sempre especial, além dessa vista do paraíso, comíamos tudo fresco. Todas as comidas e bebidas vinham direto da horta deles 🙂

O que ver e fazer em Lençóis?

Essa cidadezinha encantada oferece muita coisa boa.

Parque Municipal do Serrano – a praia de Lencóis

O Serrano é um parque municipal que inclui as piscininhas naturais ou caldeirões que se formam no rio Lençóis.

Infelizmente em março não há àgua em abundância, mas mesmo assim, conseguimos aproveitar nossa piscininha particular.

Salão de Areias Coloridas

É incrível ver esse salão de areia num local que não há mar. Você sabia que no passado, a chapada era fundo de mar?  Inacreditável.

Cachoeirinha

Como o próprio nome diz, é uma pequena cachoeira 🙂

A cachoeirinha em Lençóis, tem pouco volume de queda d’água, entretanto, é ótima para se refrescar. Após as subidas e descidas das trilhas percorridas pelo Serrano, quem não se jogaria?

 

A água transparente da Cachoeirinha  proporciona deliciosos momentos para relaxar.

Devido ser uma cachoeira pequena com pouco volume de água , é rasa e é ideal para ficar de molho curtindo o visual do local.

Poço Halley

Eu simplesmente não queria sair desse poço. Amei de verdade. A cor da água me encantou e a magia desse lugar naturalmente te leva para outro nível.

 

Gruta da Fumaça

Essa gruta localiza-se em Iraquara. Considerada uma das cavernas mais completas da região devido às formações geológicas.

Tivemos contato não apenas com formações de estalactites/estalagmites como também com a Flor de Arogonita, considerada uma raridade.

O ponto alto desse passeio para mim foi o momento em que apagamos as lanternas e ficamos em silêncio por um minuto.

A escuridão me faz refletir. Por um 1 minuto pude viajar “dentro da gruta”.

É obrigatório contratar um guia, pois obviamente eles conhecem tudo e preservam muito bem a gruta.

Vale muito a pena esse passeio. Você vai adorar.

Fazenda Pratinha

Essa fazenda Pratinha é uma ótima opção de passeio na Chapada Diamantina. Ela fica em Iraquara, bem perto de lençóis. O trajeto é bem sinalizado e o GPS ajuda muito.

É propriedade particular. O valor da entrada é de R$40 por pessoa.

Com essa entrada, você pode visitar a gruta azul e tomar banho no Rio Pratinha. Além disso, há restaurante, banheiros e estacionamento.

A fazenda é realmente linda, mas tudo é pago a parte.

Atrações e preços na Fazenda Pratinha

Gruta Azul – Está inclusa no valor da entrada. Entre os meses de abril a setembro, entre 14 e 15 h, raios solares produzem um cenário muito lindo na Gruta. Ela fica azul mesmo. Imperdível.

Como não sabíamos dessa do horário, conseguimos pegar só um pouquinho do azul. Pode ser (ou não) que tenha algo a ver com o mês, visto que nossa viagem foi em março.

Rio Pratinha – Está incluso no valor da entrada. Esse rio é limpíssimo, há muitos peixes. Leve snorkel e aproveite muito. Vale a pena 🙂

Se você observar bem, terá uma doce surpresa no caminho de terra que te leva ao rio:

 

Eles comem na palma da mão. São muito fofinhos 🙂

 

Tirolesa no Rio Pratinha – 20 reais

Flutuação na Gruta da Pratinha – 40 reais – Mesmo sendo um preço salgado, o passeio vale muito a pena. Você conhece o interior da gruta numa total escuridão. Todos meus amigos foram, menos eu.

Tenho medo de verdade. Até eles que são experientes, disseram que relamente não é para qualquer um.

O passeio, de meia hora, inclui: snorkel, pé de pato, colete salva-vidas e lanterna.

As fotos são de tirar o fôlego. Para quem curte, deve ser mesmo uma experiência incrível.

Veja aqui as mais belas imagens desse paraíso natural, chamado Chapada Diamantina:

Ilha Grande – Rio de Janeiro

Olá galera. Sejam muito bem vindos por aqui. Se você acompanhou o post anterior, sabe que estamos numa roadtrip com 5 amigos.

A parada agora, a bola de vez, é essa ilha mágica “Ilha Grande” que fica no Rio de Janeiro.

Como faz para chegar na Ilha Grande?

Incrívelmente fizemos uma viagem super rápida de Paraty até a Ilha Grande.

Decidimos ir para a ilha por “Conceição do Jacareí”. Deixamos o carro no estacionamento do cais. É o último estacionamento e fica em frente ao porto.

A diária custou 20 reais. Com eles mesmo compramos os bilhetes para ir para a Ilha Grande.

Quanto custa e como funciona o transporte para a Ilha Grande?

Existem duas maneiras de fazer a travessia para a Ilha Grande. A rápida, com duração de 15 minutos via boat, custa 80 reais por pessoa ida e volta. E a travessia demorada, com duração de 50 minutos via barco, custa 50 reais por pessoa ida e volta.

Abraão , a maior comunidade da Ilha Grande

Chegamos por Abraão. Mesmo sendo a maior, ainda assim é pequena (haha) e mágica. Depois de um tempo procurando um lugar ideal, encontramos a   “Pousada Aconchego”. Ela fica bem próxima do centrinho e a diária casal custou 150 reais com café da manhã.

Cachoeira e Praia da Feiticeira – Trilha

Como chegamos num bom tempo, colocamos as mochilas nos quartos e fomos trilhar. A trilha foi para a praia e cachoeira da Feiticeira. É uma trilha de nível fácil, com duração no total (cachoeira+praia) de 1 hora.
De Abraão, a trilha dá 20 minutos até uma cachoeira pequena. Dessa cachoeira pequena leva mais 20 minutos até a divisa entre caminho para a praia e caminho para a cachoeira. Dessa divisa até a cachoeira da Feiticeira são apenas 10 minutos. A cachoeira é um espetáculo.

Depois descemos na pequena trilha para a Praia da Feiticeira. Essa praia é linda, limpa e é boa para fazer snorking. Há muitos peixes. É encantador.

 

Dicas: Dá pra fazer essa trilha de chinelo 🙂

E outra coisa muito importante: leva snorkel. É mágica essa praia.

De lá, pegamos um táxi boat até Abraão, que custou 20 reais por pessoa.

O que fazer em Abraão?

Abraão é perfeita à noite. Tem música ao vivo em praticamente todos os restaurantes (e não há bagunça, acredite). Falando em comida…Prove o açaí de uma sorveteria/cafeteria que fica quase do lado da igrejinha, em frente ao porto: é maravilhoso.

Os gringos amaram mandioca,tapioca e caipirinha (nada bobos, né?).  Quase todos os estabelecimentos estavam oferecendo a promoção de 3 caipirinhas por 20 reais. Pensa????

 

Há um restaurante na mesma rua da Pousada, que tem “aquela” tapioca. Vale muito a pena provar. Fomos atendidos por um simpático garçon, que acabou nos vendendo um passeio personalizado.

O que fazer na Ilha Grande?

A resposta é rápida e precisa: Passeios de barco e Trilhas 🙂

Como não era nossa primeira vez na ilha grande, queríamos um passeio do “nosso jeito”.  A alternativa nesses casos é  fazer um passeio personalizado.

Nosso Passeio de barco personalizado – Nosso tour na Ilha Grande

Na ilha grande há vários tipos de passeios de barco. Você pode escolher os já programados ou fazer seu próprio roteiro. Os já programados tem horários determinados e variam de 150 à 180 por pessoa e os personalizados, depende do que você sugere.

Escolhemos um tour privativo de boat. Imagina ter um boat/motorista à sua disposição, te levando pra onde você quiser?? Sonhoooo.. e foi mesmo 🙂

 

Às 08:30hrs iniciamos nosso tour. Saímos de Abraão direto para Cachadaço. É um lugar escondido e lindo demais. Veja abaixo:

Depois seguimos para Aventureiros. O símbolo dessa praia é o coqueiro caído. Super famoso para fotos. Ele ainda dá coco.. Impressionante.

De lá, fomos para Grutas. É um lugar paradisíaco. Uma gruta um tanto cômica. Veja o trajeto dela e a entrada:

Segundo nosso motorista, esse era um ponto turístico famoso na ilha, que aos poucos foi acabando. Chegamos lá, tinha um aviso que a taxa era de 20 reais por pessoa, mas não tinha ninguém para nos receber. Então ficamos receosos de fazer essa aventura sozinhos. Você teria coragem???? Voltamos então para o boat.

Lagoas: Verde e Azul

Depois dessa tentativa frustada da gruta, nos dirigimos à lagoa Verde e posteriormente à lagoa Azul. É um paraíso de peixes e vida marinha.  Os corais são apaixonantes.

Fazer snorkel nessas lagoas é uma sensação incrível e inesquecível. Vale a pena trilhões de vezes :)) Fizemos muitos vídeos e encontramos cada coisa linda. Veja no final do post.

Dica: Olhe com atenção quando você estiver nadando nas lagoas. Eu infelizmente não olhei e uma água viva me pegou. A parte do joelho ficou toda queimada. Ainda bem tínhamos gelo no boat e pude fazer compressas.

Fora esse inconveniente, essa foi uma das experiências mais incríveis que tive o prazer de fazer.

Sem energia na Ilha

É isso mesmo. Na ilha é comum isso acontecer. A maioria das pousadas e comércios tem gerador e a vida segue. Só que o que acontece quando todos usam demais o gerador? PARA TUDO.

Em nossa pousada aconteceu exatamente isso, sem energia e sem gerador. Quem aguenta dormir assim? Um calor absurdoooooo. Essa experiência você deveria provar também hahaha

Trilha para Abraãozinho

É uma trilha curta e lindíssima. Num momento temos andar na beira da praia ,com a vista linda da ilha grande. Num outro momento, entramos na mata e seguimos em frente.

 

A praia é linda, limpa, pequena, dá pra fazer snorkel, tem peixes, estrela do mar… É perfeita.

De lá, voltamos de barco pra Abraão, teve desconto pra 6 pessoas, ficou 100 reais.

Trilha para Palmas

Queríamos subir o morro do Papagaio (o segundo maior da ilha), mas infelizmente choveu na noite anterior e o papagaio estava coberto de nuvem. Se o dia não estiver bom, nem adianta subir, pois o melhor de lá é a vista maravilhosa de toda a ilha grande.

Não esquecendo do caminho, com a chuva fica escorregadio e perigoso. É uma trilha de nível avançado e muitos picos de enclinação.

Esse é o Morro do Papagaio: Ficou para uma próxima:

No Brasil devemos sempre ter o plano B. O nosso era trilhar até Palmas. Trilha de nível médio, com duração de 1 hora.

Dica valiosa: No caminho, presta atenção numa subida de terra vermelha à sua esquerda. Não ignore, suba-a e terá uma doce surpresa: uma vista espetacular da ilha… Imperdível.

 

É uma pena que muitos passam direto e nem percebem, pois não tem informação desse mirante desconhecido.

A praia é quase deserta. Há pouquíssimas pousadas e restaurantes. Não há eletricidade. Pra quem procura tranquilidade ao máximo na ilha grande, deve ficar em Palmas.

 

Curtimos a praia de Palmas e pegamos um barco que nos levou até Lopes Mendes (uma das praias mais bonitas do mundo). O mesmo barco nos levou também de volta pra Abraão por 30 reais por pessoa.

Praia Lopes Mendes

Os barcos não nos levam exatamente na praia. Pois é mar aberto e perigoso. Eles nos deixam numa embarcação e de lá caminhamos 1 KM na mata para chegar até Lopes Mendes.

Esse caminho é lindo. Há muitos macaquinhos, os famosos saguis, que comem na palma da sua mão, é mágico (desde que não chova no dia anterior…continue lendo para entender).

 

A praia é mesmo lindíssima, digna do título que possui. Areia branca, pedras grandes e  amendoeiras que servem com o guarda sol.

 

Nessa embarcação que eles nos deixam, há mais 2 duas praias. Elegemos a “Praia do Pouso”, a melhor da ilha.

Muita atenção: Se no dia anterior chover, esse caminho se torna um inferninho. Aparecem mosquitos terríveis, suas picadas doem muito e o caminho fica superrr escorregadio.

Então a dica é : Passa muito repelente e vá calçado. Nós sofremos nesses dois quesitos (ô coitados).

Na volta para a embarcação estávamos calçados, o que facilitou a descida, porém sem qualquer repelente na mochila. Fomos atacados duas vezes. Mas é assim, vivendo e aprendendo, não? Haha

Despedir da Ilha mágica

Dia de dar tchau pra ilha grande. Foram momentos incríveis nesse paraíso, que particularmente, é meu lugar preferido no Rio.

Pegamos o barco até Conceição do Jacareí, pela mesma empresa “Agência do Cais”. Nosso carro estava à espera de próximas aventuras.

Dirigimos com a intenção de parar em alguma praia e ficar só uma noite. Encontramos “Mangaratiba – praia Grande”.

É um lugar lindíssimo, vista  espetacular, natureza verdíssima e muitos pássaros.

Essa cidadezinha tem somente 2 pousadas, aliás uma só, visto que a outra não contamos, pois não era nada parecido com pousada hehe

Os turistas vão lá somente para curtir o dia e voltam pra casa. Mangaratiba é lugar de nativos.

Uma peculiaridade: Acredito que deu para perceber na foto acima, que há uma linha de trem ao lado do mar.

Incrível,não? Circula somente trem de carga de minério. Ele vem do Rio para desembarcar no enorme porto de minério chamado ” Ilha Guaíba”. Esse trem circula 24 hrs por dia.

O lado que me deixou super triste: a quantidade absurda de lixo na praia. Sim, NA PRAIA, NA AREIA POR TODOS OS LADOS. Deu vontade de chorar, pois o lugar é lindo demais.

Conversando com moradores, eles disseram que as pessoas chegam na praia com comida pronta e deixam o lixo lá, não tem qualquer respeito com a natureza e com o próximo.

Eu acreditei, pois a cidade e a pousada que ficamos eram limpas. Mas ao chegar na praia, você se decepciona com a discrepância entre o lixo e a vista do mar para as ilhas.. Lamentável. Vergonha Brasil.

Agora vamos falar da Pousada telhado azul. É uma pousada-família simples, quartos privados e café da manhã. Custou 150 reais a noite por casal.

Ela fica numa rua sem saída e isso a torna especial, pois não há barulho. Gostamos muito da pousada, a simpatia de todos nos conquistaram. Eles estavam sempre dispostos a nos ajudar.

Como a praia grande tem uma cidadezinha pacata e pequena, fomos jantar na praia ao lado que nos disseram ser mais animada.

É a praia de Muriqui. Chegando lá, era nada mais do que outra praia com somente moradores e todos olhavam para o nosso grupo com curiosidade, ouvindo o idioma super diferente para eles: o alemão da Suíça.
Comemos num quiosque na praia. Prato feito por 15 reais 🙂

Choveu muito e voltamos para a pousada.

Veja aqui o vídeo que contêm todos os passeios que fizemos nessa ilha mágica: Ilha Grande:

 

 

 

 

Road trip – São Paulo até o Rio de Janeiro

Olá pessoal, esse é o primeiro post aqui no blog sobre “Esterzinha no Brasil 2018”.

Se você veio até aqui através do youtube, assistiu o vídeo e agora quer saber detalhes dessa nossa aventura, é isso que terá ?

Começo de tudo

Eu, Esterzinha, Simon(marido) e amigos gringos, fizemos uma viagem dos sonhos no Brasil. Nossa road trip começou em fevereiro de 2018. Alugamos um carro “Fiat Doblô” no aeroporto de Guarulhos (São Paulo) pela Localiza. Precisavámos de um carro grande, pois estávamos em 6 pessoas mais 6 mochilas enormes.

 

A Doblô comporta 7 pessoas, uma vaga foi para as mochilas. A escolha do carro foi perfeita. Ficamos 10 dias com a Doblô, custou 2.500 mil reais, pegando no aeroporto de Guarulhos(SP) e devolvendo no aeroporto Santos Dumont(RJ). Quando você viaja com mais pessoas é muito legal também essa parte dos custos, pois tudo é dividido.

Primeira parada – MARESIAS – litoral norte de São Paulo

Ficamos num hostel super bacana, o “Maresias Hostel“, ele faz parte da rede “Hostelling International”, presente em vários países, inclusive na Suíça (eu trampo no mais lindo, o de Interlaken hehe). Brincadeiras à parte, ele é lindão mesmo e foi eleito o melhor hostel da Suíça :)))

Foi a segunda vez que fiquei nesse de Maresias e super recomendo. É limpo, acolhedor, funcionários simpáticos, tem muito verde, piscina, lixo separado para reciclar, café da manhã bacana e um bar super retrô (dá vontade de ficar lá o tempo todo rs). Fechamos um quarto para 6 pessoas, com 6 camas e banheiro privativo por 50 reais por pessoa a diária.

Não tivemos sorte com o tempo, choveu e o sol não apareceu de jeito nenhum (ô sofrência).

O que fazer em Maresias quando o tempo não dá para praia?

Há algo maravilhoso para se fazer : TRILHAS. Sem sol e chovendo pouco, você tem uma ótima oportunidade de explorar Maresias trilhando.

Certifique-se de estar bem preparado(a) para fazer trilhas em dias chuvosos, pois a terra molhada requer atenção redobrada dos trilheiros, e claro, bons calçados é essencial para sua segurança.

Fizemos a trilha Paúbas – É uma trilha com um nível de dificuldade baixo, podendo ser feita de 30 à 40 minutos. Essa trilha é para ir até a praia de Paúbas, mas nós fomos mais adiante para conhecer a região e ter uma vista linda do topo.

Como faz para acessar a trilha de Paúbas?

Em Maresias, segue a Avenida Francisco Loup até a ponte. Atravessa -a e entra em uma estradinha de terra – Rua das Gaivotas. Você chegará num condomínio, não estranhe, pode entrar, pois a trilha inicia-se ali.

Depois é só seguir as placas e se aventurar. Vale muito a pena fazer essa trilha, pois você tem uma vista privilegiada da região.

Para voltar a Maresias, há opções de linha de ônibus interpraias. Ou faça como nós, volte pelo mesmo caminho e aprecie tudo novamente, só que agora descendo ?

Hora de partir de Maresias

Estávamos muito tristes com o tempo, pois queríamos sol e praia, afinal estávamos no Brasil, não é mesmo? Partimos de Maresias sentido Paraty – Rio de Janeiro.

De repente na estrada o tempo abre e o sol aparece. Avistamos uma praia linda pela estrada a “Praia Peque Peque Grande”.

Decidimos parar para curtir, afinal não queríamos ficar dentro do carro vendo o sol brilhar do lado de fora.

Pensa na aflição da gringaiada?

O que tem de especial na praia Peque Peque Grande?

Deu para perceber que é uma praia mais para moradores, não havia muitos turistas. A praia é linda, limpa e rodeada de verde. Simplesmente perfeita.

Voltando à estrada e chegando em Paraty

Chegamos à noite em Paraty, ficamos em Pontal, numa Pousada em frente à praia, “Pousada Refron du Mar“. Dessa vez cada casal ficou num quarto privativo com banheiro, geladeira, ar condicionado e café da manhã por 150 reais a diária por quarto.

A Pousada é super aconchegante, café da manhã delicioso, funcionários super atenciosos e prestativos. A praia está 10 metros à sua frente e de quebra, os macaquinhos (saguis) vem te visitar de manhã, pois eles também querem fazer o café da manhã ?

Cachaçaria Pedra Branca

Paraty é também super famosa por suas cachaçarias, conhecemos a “Pedra Branca“. O visitante chega e é levado à conhecer todo o processo da cachaça, desde o incío até o engarrafamento da mesma. No final do tour, há uma demostração de todas as cachaças e os visitantes podem experimentar.

Eles  tem uma loja com muita coisa boa, o carro chefe é a cachaça, é claro, e das mais diversas possíveis. Entretanto pode-se comprar outras coisas como doce de leite com coco/maracujá, cocadas, enfeites, lembrancinhas e muito mais.

Há empresas que fazem passeios para as cachaçarias, porém se você estiver de carro, é claro que você deve optar em ir por conta própria afinal é muito fácil de chegar. Apenas siga as placas ?

Trindade

Trindade é um daqueles lugares que foram feitos para você se desligar, sabe? Tranquilo (mesmo com a quantidade absurda de turistas, você consegue entrar na magia do lugar). Os restaurantes costumam ter preços bem acessíveis e come-se muito bem.

Pra você ver que não é somente o lugar, mas também as pessoas que fazem de Trindade um lugar melhor: Em nossa volta para Paraty, demos carona para uma mulher (ela tem uma barraca na praia do Meio).

O ônibus não passou e ela estava toda preocupada com sua filha pequena pois tinha que  buscá-la na escola. Essa mulher ficou tão feliz com a carona que perguntou-nos se podia fazer uma oração por nós no carro.

Imagina como voltamos pra Maresias? Extremamente felizes.

Trilha para Praia do Sono

Façam essa trilha, por favor?? Ela é perfeitaaaaa

Vamos lá para as informações :

Se estiver em Paraty, vá até Trindade e de lá há placas para Praia do Sono.

É necessário atravessar um condomínio privado (o Laranjeiras), sem stress, apenas diga que irá fazer a trilha para praia do sono. Pega o caminho sempre direto para a cidadezinha, não pare em outros estacionamentos vá sempre direto mesmo. Você chegará numa pracinha bem bonitinha, com um ponto de õnibus em frente. ESSE É O FINAL DO CAMINHO DE CARRO.

É obrigatório parar nessa praça para deixar o carro no estacionamento chamado “rua” hehe.  É na rua de verdade, não há estacionamento, os carros ficam na rua. As pessoas que moram lá olham para você por 20 reais o dia. É uma comunidade bem simples, porém super simpática. A maioria são idosos que ficam no banco da praça conversando e assim ganham seu dinheiro como “olheiros” dos carros.

Deu super certo, na volta estava tudo do jeito que deixamos.

A Trilha

A trilha para a praia do sono é lindíssima, encontramos paisagens maravilhosas no caminho. Árvores imensas, muitas borboletas.

No caminho há muitas pedras e descidas. Vá preparado(a) com bons calçados, pois é essencial para ter sucesso na trilha.

A Praia do Sono

A praia é um espetáculo, água limpíssima, ondas gigantes, gigantes mesmoooo…Tem umas pedras enormes e lindas que enfeitam ainda mais o local.

Como foi numa segunda-feira, não tinha qualquer barraca vendendo comida ou bebida. Mas nós, como bons trilheiros, levamos algo para comer e beber, assim ficamos tranquilo nesse paraíso chamado SONO.

Cachoeira do Tobogã

Pelo nome já dá pra imaginar não é mesmo ? Simmmm, você escorregará cachoeira abaixo. Mas calma, será super tranquilo e emocionante. Tem uns guias locais super maneiros que te ajudam e você paga à eles o quando quiser.

Os caras são verdadeiros surfistas de cachoeiras, deslizam em pé. É impressionante. Fora que eles são simpáticos e conhecem muito bem a área.

Além da descida, há também uma cachoeira acima onde você pode entrar. Funciona quase como uma caverna, você fica do lado de dentro de boa (leve camera – é show).

Outra atração de lá, para os aventureiros puladores na água de plantão, é uma pedra enorme. Para ter acesso à ela, é só subir um pouco acima , então encontrá uma ponte. Atravessa a ponte e sobe a pedra.

Eu como não me aventuro muito com água, fiquei só filmando. Mas os caras disseram que não é fácil subir essa pedra e pior ainda é descê-la, pois não tem segurança alguma. Ou seja, se você subir, VAI TER QUE PULAR heheh

 

Hora de partir de Paraty

Nosso próximo destino foi Ilha Grande (terá post específico sobre esse paraíso, logo logo). Vamos agora nesse post pular para a cidade do Rio de Janeiro.

Rio de Janeiro – Santa Teresa

Essa foi a primeira vez que fiquei nesse bairro tão querido, histórico e boêmico chamado “Santa Teresa”. E digo mais, se soubesse que era tão maravilhoso assim, teria ido mais cedo.

Pesquisando na Internet achei essa Pousada da Fernandinha. Gente..QUE ACHAAADOOO, pois não tinha muita informação, e fui de teimosa que sou e também queria experimentar algo novo no Rio.

Agora vocês terão essas informações detalhadas sobre essa Pousada – Paraíso e também meu conselho: VÁ 🙂

 

É um casarão bem no bairro histórico de Santa Teresa. A entrada é igualzinha de uma casa particular, toda fechada, aperte a campainha e entre em outro mundo, melhor, volte no tempo, né ?

A Pousada é a Vila Nossa (Bed an Breakfast) – Ladeira Castro 165 – Santa Teresa. A dona, a Fernandinha, é uma doçura de pessoa, super educada, culta, fala 5 idiomas e nos recebeu tão bem que nos sentimos em casa.

 

 

O café da manhã é espetacularmente maravilhoso, ela pessoalmente que prepara com frutas fresquinhas da feira. Não deixe de provar seu yougurte caseiro.

São poucos quartos disponíveis na casa, porém espaçosos e todos nomeados pelos bairros do Rio (Copacabana, Botafogo e etc), alguns quartos tem varanda com uma vista espetacular para o bairro e prédios distantes.

O que fazer em Santa Teresa?

Há muita coisa pra se fazer nesse bairro que respira cultura, só de caminhar por ele você sente isso.

Escadaria Selarón

A Escadaria Selarón foi feita pelo pintor chileno Selarón. Tão apaixonado pelo Brasil, ele fez essa  homenagem ao país. Começou a montar essa escadaria com azulejos verde, amarelo e azul (as cores da bandeira do Brasil). Depois achou uma loja no Rio que vendia azulejos da Europa para colecionadores. Decidiu então comprar e começou a trocar os azulejos. E assim a escadaria se tornou pouco a pouco, uma verdadeira coleção de azulejos do mundo todo.

Esse aqui é da Suíça 🙂

São no total 2.000 azulejos diferentes. Selarón pinta azulejos em homenagem às pessoas que fizeram história no Brasil sejam elas famosas ou anônimas.

 

 

A escadaria tem 215 degraus.  As pessoas enviavam os azulejos para Selarón e o mesmo o colava na escada e depois Selarón enviava a foto do azulejo colado.

Incrível experiência, não?

Parque das Ruínas

Foi uma época áurea do bairro de Santa Teresa, palco de artistas e intelectuais, comandada por Laurinda Santos Lobo, era um dos mais efervescentes salões da Belle epoque carioca. Plantada num elevado de onde se descortinava toda a cidade, ali estava a casa. Antes era uma casa, agora é um milagre.

Vale muito a pena visitar. A vista é linda (quase 360°) e o salão é uma ótima alternativa para fazer lindas fotos.

Trilha para o Cristo Redentor

Nosso plano foi : Cristo de manhã e Pão de açúcar ao anoitecer.

Como não era nossa primeira nem segunda vez no Cristo, decidimos fazer algo diferente : TRILHAR até ele 🙂

Pois é, há uma trilha que te leva ao Cristo. O nível de dificuldade é pesado. Você precisa estar em boa condição física para subir com sucesso. Não esquecendo dos bons calçados, água para hidratar, fruta, barras de cereais ou algo pequeno para comer.

A Trilha

A trilha começa no Parque Lage (esse parque é sensacional, vale a pena visitar pois é natureza pura no meio da cidade do Rio de Janeiro). Para fazer a trilha, é necessário se registrar com o guarda nessa casinha. Essa é a entrada da trilha.

Com duração de 2h30, a trilha possui muitas subidas, sendo elas longas e íngremes. No caminho há 3 pontos de cachoeiras, dá pra refrescar um pouquinho.

Toda a trilha é feita dentro da mata, podendo atravessar os trilhos que passa o bondinho.

 

 

Chega num momento que precisa escalar uma pedra, mas eles fizeram degraus de ferro e corrente para facilitar a subida. Esses itens ajudaram muito para subir com segurança.

No Topo

Chegando no Cristo, como foi numa segunda-feira, pagamos 13 reais para entrar no monumento. A vista estava boa, foi gratificante subir.

Outra informação importante aos trilheiros: Não existe como comprar bilhete para descer o Cristo de ônibus. É necessário pegar o bondinho (que tem custo alto) ou descer à pé até a primeira estação. E de lá pegar táxi/uber para fazer a descida completa.

Pão de Açúcar

Essa foi a primeira vez que estive no pão de açúcar à noite. Ficamos umas 3 hrs lá em cima, acredito que batemos o record haha . Choveu e continuamos lá. Nosso plano era ver o põr do sol da cidade maravilhosa de um dos pontos mais famosos do mundo.

 

O Simon filmou quando as nuvens saíram do Cristo e deu-se um novo cenário para a vista que outrora cinzenta estava. Mesmo não tendo o pôr do sol, por causa do tempo ruim, foi gratificante demais. Experiência única. Experimente, vai valer muito a pena ver a cidade maravilhosa toda iluminada.

 

 

Caso você queira mais informações ou tenha dúvidas, deixe aqui nos comentários que te respondo.

Obrigada por nos acompanhar nesse primeiro post sobre “Esterzinha no Brasil 2018” – parte 1.

Até o próximo. Beijão

Veja o vídeo abaixo. Tem todos esses passeios que detalhei aqui no post :