Travessia Petrópolis X Teresópolis

Vamos falar da famosa Travessia Petrópolis – Teresópolis?
Esse trekking acontece no Rio de Janeiro, no Parque Nacional da Serra dos Órgãos, o PARNASO.

Como é a travessia?

O trajeto tem aproximadamente 30 km e é feito, geralmente, em 3 dias de caminhada. É, sem dúvida, uma das travessias mais desejadas do Brasil, sendo considerada por alguns como a mais bonita.

Nossa experiência

Contratamos uma empresa para nos guiar. Esse trekking pode ser feito sem guia, desde que seu nível de trilheiro seja avançado para conhecer os macetes. Poderíamos fazer sozinhos, porém, ao contratar uma empresa, você fica totalmente livre de preocupações com GPS e sinalizações.

Falando desse aparelhinho, que muitas vezes nos joga pra lugares nada a ver, encontramos na travessia, um aventureiro, um russo. Ele estava sozinho, com GPS na mão, vindo de um lugar para onde iríamos. No entanto, o caminho era totalmente contrário do nosso e ele dizia que o GPS deu aquele caminho.
Fora esse episódio, tem uma história de um francês que ficou perdido no parque por 5 dias. Foi divulgado nas mídias, quase todos sabem dessa história. Como foi na época de chuva, o francês foi encontrado sem roupas e tremendo de frio. Ele tinha pego um atalho e ficou perdido, sem saída.

São dessas situações chatas e tristes, que me refiro e alerto você à pensar bem na hora de decidir contratar ou não um serviço de guia.

Programação

Dia 1


O trekking não é mole não. Logo no primeiro dia são 8km de trilha pesada com subidas fortes (1.100 m de desnível).

Para completar, no primeiro dia é que a mochila está mais pesada….

No final dessa matéria, listo os itens que não devem faltar em sua mochila 🙂

Achados lindos da natureza

Tem muitos pássaros no caminho todo
Olha o tamanho desse cogumelo

As Bromélias dão show

Aliás, não somente as bromélias

É muita beleza nesse lugar

Graças à ELE mesmo haha

Se você chegar bem até essa placa, pode “glorificar de pé” hahaha

Chegada aos Castelos do Açu – local da primeira pernoite.

Esse é o abrigo de Açu. É oficial do parque.
Esses são os castelos do Açu. São mágicos.
As imagens abaixo são da parte interna dos castelos.

Pôr do Sol no Cruzeiro – ponto mais alto do Açu – 2.232 m de altitude

Não conseguimos ver o pôr do sol perfeito, por causa das nuvens. Porém, sentimos a magia desse lugar. É algo inexplicável.

Dia 2

Acordamos cedo para ver o nascer do Sol. Deu super certo 🙂

Sensacional. Recarregamos nossa energia para o dia 2 🙂

Foram 9km de trilha pesada com subidas e descidas íngremes (desnível máximo de 300 m) e alguns trechos técnicos. Para a corda e cavalinho, foram usados equipamentos do nosso guia.

Chegada à Pedra do Sino – local da segunda pernoite.

Abrigo 4 na Pedra do Sino
Essa é a Pedra do Sino. Particularmente, vejo o rosto de um elefante. Alguém mais? 🙂
Pôr do Sol no topo da Pedra do Sino
No topo da Pedra do Sino – ponto culminante do PARNASO – 2.275 m de altitude
Deu pra ver a Baía de Guanabara. Quanto amor ….

Dia 3

Queríamos muito ver o nascer do sol, porém as nuvens impossibilitaram-nos. Não convencida, sai pela redondeza do abrigo para fazer fotos. A neblina me fascina também

Iníciamos a caminhada às 9 h. O último dia é uma mistura de sentimentos. Felicidade por estar bem fisica e emocionalmente, porém um pouco triste em deixar o paraíso para trás.

Foram 11km de trilha (1.100 m de desnível) até a sede do parque em Teresópolis (nosso destino final). Encontramos muita coisa linda pelo caminho.

Caminho de Bromélias
Cachoeira Véu das Noivas

Com toda certeza, essa foi a primeira de outras travessias que farei. Gratidão por realizar com sucesso.

Conhecendo um pouco Petrópolis

A cidade imperial faz jus ao seu nome. A família real morou na cidade e seus corpos estão embalsamados na catedral Pedro de Alcântara.

Catedral Pedro de Alcântara
Catedral Pedro de Alcântara ao fundo

Com a Proclamação da República em 1889, que resultou no banimento e no exílio da Família Imperial, temia-se que a cidade fosse ameaçada por retaliações republicanas e perdesse o seu prestígio. Mas isso não aconteceu.

Houve então a grande mudança de rumo na vida do petropolitano e da sua cidade, que se voltou cada vez mais para a sua tradição histórica, para a urbanização e arquitetura que ficaram de seu passado e para a beleza e preservação da sua natureza. A cada dia, novas mansões e palácios abriam suas portas para visitação.

A Prefeitura de Petrópolis planejou e organizou o setor de turismo e cultura e uma extensa rede de facilidades foi sendo oferecida ao turista, como informações, eventos, pousadas e hotéis, restaurantes e outras atrações cheias de requinte e particularidades, capazes de atrair o interesse do visitante.

A casa de Santos Dumont.

Sim, ele morou em Petrópolis. E foi ele quem projetou e construiu sua própria casa. Vale muito a pena a visita 🙂

Onde nos hospedamos

Num hostel maravilhoso. O Umhostel. Super indico, hostel limpo, funcionários agradáveis e simpáticos.

Localizado num lugar super privilegiado para os amantes da cerveja: em frente à fábrica da Boehmia. Aliás, lá tem um tal do “Tour cervejeiro” que todos falam super bem. Não tive tempo de ir, mas gostaria muito…Fica a dica.

Fora a Boehmia, tem também a fábrica da Itaipava, que fica no bairro vizinho, que leva o mesmo nome da cerveja.

Localização e como chegar

A linda Petrópolis fica na região montanhosa do Rio. Seu clima é ameno. A cidade é um amor. Puro charme, é uma mistura de natureza com arquitetura antiga.

Saindo de São Paulo:

De ônibus: Da Rodoviária do Tietê tem ônibus direto para Petrópolis 🙂 São 6 horas de viagem e custa em torno de 70 reais.

Parque Nacional Serra dos Órgãos – PARNASO

De Petrópolis até a portaria da Sede Petrópolis

De Taxi/ Uber

É a melhor opção. Caso tenha um grupo, melhor ainda, pois pode dividir o valor da corrida. Em torno de 40 minutos você está no parque e o  custo total aproximado é de R$ 80.

De Ônibus

A melhor opção a partir do Centro de Petrópolis é tomar um ônibus para o Terminal de Corrêas. Lá existem duas linhas que atendem ao Bonfim – a linha 611 (Bonfim) que tem ponto final a cerca de 1 Km da portaria e a linha 616 (Pinheiral) que chega mais perto, até a Escola Rural do Bonfim.

Sobre a empresa que fizemos a travessia


Eu já seguia eles nas redes sociais e já era amor antigo. Depois dessa experiência, indico até de olhos fechados. Nossa travessia foi perfeita com o guia Leonardo. Conheça eles: Amantes da Montanha
Veja o pacote que contratamos:
Investimento: Pacote Básico
R$ 450 por pessoa.

INCLUI:
Guias credenciados e equipamentos de segurança em grupo;
Ingresso do Parque Nacional para 3 dias de trilha em Montanha;
2 noites em bivaque / beliche do abrigo (com utilização de cozinha) / ou 2 noites em camping (fornecemos barraca e fogareiro);
2 banhos quentes.

O que levar para a Travessia?

Tudo o que realmente você for usar, ou seja, o mínimo dos mínimos. Lembra-se que isso custará “os seus ombros”, literalmente heheh

Bora lá listar o essencial:

  • Mochila cargueira com capa de chuva
  • Saco de dormir extremo 0 grau
  • Agasalhos em camadas
  • Lanterna e pilhas
  • gorro, luvas e meias reservas
  • Itens de Higiene pessoal
  • Protetor solar
  • Saco de lixo
  • Alimentação para o dia: Lanches de trilha para 3 dias: pães, queijo, atum, salame, frutas secas, doces….
  • Alimentação para a noite: macarrão, embutidos, atum, sardinhas, sopas, refeições de preparo rápido, pois nos abrigos tem cozinha com fogão e todos os utensílios para cozinhar 🙂
  • Leva sua garrafa de água com pelo menos 2 litros, pois há pontos de reabastecimento nas trilhas e nos abrigos.

Sobre mim

Sou guia turística na Suíça, credenciada pelo orgão oficial.

Faço tour de trilhas, cidades e curiosidades no país dos alpes.

Caso queira fazer esse ou outro tour comigo, é só me escrever. bjosssss

Artigos relacionados com a cultura da Suíça:

Aniversário da Suíça

Sobre a Suíça

Bike tour na Suíça:

Bike tour de 5 dias e 3 países da europa

3 semanas pedalando na Suíça e norte da Itália – artigo

3 semanas pedalando na Suíça e norte da Itália – A saga em vídeos

1 final de semana pedalando até Lauterbrunnen – parte 1

1 final de semana pedalando até Lauterbrunnen – parte 2

4 respostas para “Travessia Petrópolis X Teresópolis”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *